Cidades

EMPREENDEDORISMO-NEGÓCIOS

A+ A-

Como começar um negócio depois dos 50

Alguns tipos de negócio que podem funcionar bem para quem deseja começar a empreender nesse momento da vida. É o caso das franquias, que oferecem suporte e já vêm com planejamentos feitos, mas demandam investimento inicial

Continue lendo...

Começar a empreender depois dos 50 anos é hoje uma realidade para muitos brasileiros. São profissionais que buscam realizar o sonho de abrir o próprio negócio depois de anos de trabalho ou que, muitas vezes, enfrentam barreiras para se manter no emprego pela pressão do etarismo, a discriminação por causa da idade.

"São pessoas que estão ativas, que ainda têm muito potencial para oferecer, mas infelizmente o mercado de trabalho fica muito mais difícil para elas", afirma Ana Fontes, fundadora da RME (Rede Mulher Empreendedora) e colunista da Folha de S.Paulo.

A população brasileira está envelhecendo, o que significa que as pessoas devem ficar ativas por mais tempo. Indivíduos com 65 anos ou mais já representam 10,9% do total de habitantes do país, segundo o Censo Demográfico 2022.
O percentual é o maior desde o primeiro recenseamento, em 1872, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Dados da última pesquisa Global Entrepreneurship Monitor, feita em parceria com o Sebrae em 2022, indicam que a taxa de empreendedorismo inicial entre aqueles que têm de 55 a 64 anos cresceu 64% em relação ao ano anterior. Não é possível afirmar se os números refletem uma maior adesão dessa faixa etária ao empreendedorismo ou uma reacomodação da economia no pós-pandemia, explica André Spinola, gerente de gestão estratégica do Sebrae.

"Mas o que a gente pode dizer é que o foco dessa fatia é, em primeiro lugar, a complementação de renda e, em segundo, a realização de um propósito. Muitos já cumpriram seu papel de sustentação econômica e agora podem construir algo com mais propósito a partir do seu trabalho."

Segundo Spinola, há alguns tipos de negócio que podem funcionar bem para quem deseja começar a empreender nesse momento da vida. É o caso das franquias, que oferecem suporte e já vêm com planejamentos feitos, mas demandam investimento inicial.

Outra opção é trabalhar com vendas online, revendendo produtos em marketplaces, por exemplo. Vale também aproveitar todo o conhecimento adquirido em anos de carreira para oferecer serviços de consultoria e mentoria. Ou ainda é possível explorar um hobby.

É fundamental estudar e se planejar. "O pior que pode acontecer é o empreendedor achar que, só por saber algo, vai dar certo abrir uma empresa, sem entender se o mercado está aquecido, se tem demanda, se a forma como presta o serviço é o ideal, se tem concorrência", diz Spinola.

"Se você for empreender com o que gosta e as pessoas não quiserem comprar, não vai adiantar nada. Então, você precisa tentar combinar as duas coisas", afirma Fontes, que recomenda que os profissionais se conectem a redes de empreendedores e busquem apoio de mentorias —a RME, por exemplo, tem mais de 800 mentoras voluntárias.

Ela reforça que as franquias são uma possibilidade, mas exigem atenção. "Também tem risco, também pode fechar. Você conta, sim, com o apoio de um franqueador, mas isso não significa que não pode dar errado", diz.
Aos 55, Marilusa Pontini pediu demissão da companhia onde trabalhou por quase três décadas para abrir uma franquia da Bibi, de calçados infantis, em um shopping em Vila Velha (ES). Na época, em 2008, ela já estava aposentada havia dois anos, mas nunca passou pela cabeça dela parar.

"Percebi que o meu ciclo na empresa tinha se fechado. Foi um presente começar uma vida nova, um novo desafio", diz. Em um primeiro momento, ela chegou a pensar em empreender no ramo de alimentação, mas logo mudou de ideia. "Para você ter uma franquia, precisa entender de alguma forma do negócio e eu não entendia nada dessa área. Nem gosto de cozinhar."

Mas, de calçados, Pontini entende. Em uma empresa do setor, começou no chão de fábrica, foi supervisora de vendas, passou por vários departamentos e chegou à direção.

Além disso, nunca parou de estudar. Formada em ciências sociais, fez pós-graduação em recursos humanos e em marketing, entre outros cursos. "Isso tudo me deu base. Mas você também acaba adquirindo uma expertise pelo tempo que você viveu. Sempre fui uma pessoa de fazer as coisas acontecerem."

Segundo a empresária, uma das vantagens de empreender com franquia é se sentir menos solitária na hora de tomar decisões, mas isso não significa ter menos responsabilidades. Hoje, aos 70, faz questão de estar presente no dia a dia da loja, que tem quatro funcionários. "Só faz um ano que eu me dei o direito de não trabalhar mais aos domingos", diz.

Para quem ainda está inserido no mercado de trabalho e pensa em empreender, o ideal é começar o quanto antes, recomenda Mauro Wainstock, fundador do Hub 40+, consultoria que atua com diversidade etária.

Para isso, ele orienta que o profissional comece aos poucos, com uma atividade que não exija um investimento tão alto nem tantas horas de dedicação. Ele pode, por exemplo, prestar consultoria na sua área de atuação ou iniciar um negócio online.

Além disso, o especialista ressalta a importância de participar de eventos e abrir os horizontes para além da companhia onde se trabalha.
Outro ponto que Wainstock destaca é que empreendedores com mais de 50 anos podem ser tão inovadores quanto os jovens. Afinal, há ideias de negócio que só uma pessoa com mais experiência vai ter.

Após trabalhar anos como consultor de tecnologia em grandes empresas e atuar no mercado logístico portuário, Luiz Simões decidiu criar, aos 51 anos, uma startup nessa área. Ele percebeu uma oportunidade para desenvolver um software que controlasse todo o processo de exportação de cargas como celulose e grãos.
Fundou a HXtos, em Santos (SP), em junho de 2021, depois de já ter aberto uma consultoria de tecnologia com um sócio em 2015, quando tinha 45.

Sem experiência com startups, buscou o Cubo, hub de inovação do Itaú. Depois de fazer uma apresentação, foi selecionado para integrar a comunidade, em janeiro de 2022. Desde então, já participou de eventos importantes do setor, caso do Web Summit Lisboa, em Portugal.

Entre os clientes da HXtos estão as fabricantes de celulose Suzano e Bracell. A startup atua nos portos de Santos e de Itaqui (MA), com metas de expansão para outras localidades no país e no exterior.

"Esse mundo de startup está muito ligado ao universitário, ao jovem nerd, ao cara que está começando a carreira. E fui na contramão disso", afirma Luiz, hoje aos 54 anos.

"Trabalhei em grandes empresas que me ajudaram a crescer profissionalmente. Se eu tivesse montado um negócio com 20 anos, não sei se daria certo. Provavelmente eu enfrentaria dificuldades, porque não teria experiência."

Assine o Correio do Estado

Assustou!

Formação de nuvem funil deixa campo-grandenses apreensivos

O fenômeno não é normal, mas acontece em formação de tempestades e caso toque no solo, pode se tornar um tornado.

12/04/2024 18h22

Reprodução/

Continue Lendo...

A formação de uma nuvem de funil no início da tarde de hoje (12), na região sul de Campo Grande, deixou os moradores apreensivos, após registrarem o momento da formação de um cone entre as nuvens

A nuvem funil é criada com a rotatividade do vento, criando nuvens em formato de funil, que se estende desde a base da nuvem, porém ela não atinge a superfície. 

Conforme informações de meteorologistas, a nuvem funil é o primeiro estágio de desenvolvimento de um tornado, e ela é associada a nuvens de tempestades. 

A formação dela ocorre quando há presença de vórtices no interior de uma nuvem. O mesociclone ou vórtice é responsável pela rotação da coluna de ar dentro da nuvem. 

Quando ocorre este movimento se origina o encontro de fortes correntes de ar em direções opostas, formando o funil. Dependendo da intensidade dos ventos, ela pode tonar no solo, o que acarreta um tornado.  


Nuvem funil assusta moradores durante formação de temporal em Sidrolândia 

No início deste ano, em Sidrolândia, a formação de uma nuvem funil, deixou trabalhadores de um frigorífico de Sidrolândia, a 71 quilômetros de Campo Grande, apreensivos. No momento da formação dessas nuvens, o tempo estava fechado com possibilidade de chuva na região.      

Segundo depoimento de trabalhadores que se depararam com a nuvem, relataram que não ventava no momento da formação desse funil. 

Buscando entender o porquê deste fenômeno em Mato Grosso do Sul, o meteorologista do Cemtec, Vinicius Sperling, disse que o funil não é algo raro, mas pode ocorrer em outras ocasiões.

“Esse funil  não é algo normal, mas também não é raro, até porque já tivemos casos parecidos no ano passado. O que ocorreu é que essa nuvem funil que geralmente é uma nuvem mais intensa foi criada por causa de um choque entre um ar mais quente com um ar mais instável e acabou criando uma vórtice da base, que sai de uma ponta da nuvem girando em direção ao solo. Resumindo, esse fenômeno é parecido com um tornado, por ocorrer mais próximo à superfície”, explicou.  

Apesar de ser um fenômeno parecido com um tornado, o meteorologista da Cemtec explica que não é preciso se apavorar, mas buscar proteção, em caso de formação de nuvens mais pesadas para chuvas.  

Escreva a legenda aqui

Assine o Correio do Estado. 

Política

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Bluesky recebeu autoridades brasileiras nos últimos dias em protesto a Elon Musk

12/04/2024 18h00

(Imagem: AliSpective/Shutterstock)

Continue Lendo...

O presidente Lula (PT) aderiu nesta sexta-feira (12) a Bluesky ("céu azul", em inglês), rede social rival do X de Elon Musk.
A plataforma, que inicialmente proibia a entrada de chefes de Estado, anunciou a mudança de posição também nesta sexta.

Lula fez a sua primeira publicação na rede pela manhã, sobre evento em Campo Grande (MS) de habilitação de frigoríficos para exportação de carne para China. O perfil tem a mesma descrição e foto que no X.

A criação do perfil oficial do presidente ocorre após movimento de integrantes da esquerda brasileira contra o X, antigo Twitter.

O empresário embarcou na onda de bolsonaristas e trava uma disputa com o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), a quem tem chamado de ditador. Moraes, por sua vez, determinou a investigação de Musk, que ameaçou liberar contas bloqueadas na Justiça por fake news.

Anunciada pela primeira vez em 2019, a Bluesky chegou no Brasil no ano passado. A rede, criada por Jack Dorsey, fundador do Twitter, surgiu como um projeto interno à plataforma de microblogs, mas ganhou vida própria quando Dorsey deixou a presidência da rede no final de 2021.

Mas foi nesta semana que a plataforma começou a receber adesão em peso de autoridades, num movimento de retaliação a Musk.

Políticos como o líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, já criaram seus perfis na rede.

"Prestação de serviço não pode transformar-se em imposição de vontade. Quem opera no Brasil tem de respeitar as regras, a democracia e a Constituição. Ameaças não tiram nossa liberdade, nem podem penalizar seguidores por suas posições", disse.

Ministros da Esplanada, Jorge Messias (AGU) e Paulo Pimenta (Secom), também aderiram à Bluesky.

O chefe da Secom fez críticas a Musk, sem citá-lo nominalmente. "Não vamos permitir que ninguém, independente do dinheiro e do poder que tenha afronte nossa pátria. Não vamos transigir diante de ameaças e não vamos tolerar impunemente nenhum ato que atente contra nossa democracia", disse.

Pimenta disse ainda que o Brasil não será "tutelado" pelas plataformas de redes sociais.
Já Messias publicou uma foto da constituição e reiterou apoio ao STF e aos seus ministros. "Todos os que amam a democracia precisam se unir para defendê-la das ameaças que buscam garrotear a liberdade, nas palavras de Ulysses Guimãres", afirmou.

As atitudes de Musk de atacar Moraes e desobedecer ordens judiciais levaram autoridades a sair em defesa do ministro e do STF nos últimos dias. O magistrado, por sua vez, afirmou que "liberdade de expressão não é liberdade de agressão".

O presidente Lula já fez críticas a Elon Musk nos últimos dias, mas sem citá-lo nominalmente. Ele disse que o empresário nunca produziu "um pé de capim no Brasil" e defendeu o STF.

"Temos uma coisa muito séria nesse país e no mundo que é se a gente quer viver em um regime democrático ou não. Se a gente vai permitir que o mundo viva a xenofobia do extremismo. Que é o que está acontecendo", disse, na última quarta-feira (10).


 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).