Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAÚDE

Processo seletivo para médicos tem salário de até R$ 6,6 mil

São duas vagas para clínica médica e duas para epidemiologista
07/07/2020 12:28 - Gabrielle Tavares


 

Estão abertas as inscrições para processo seletivo que vai contratar profissionais para atuar na Secretaria de Estado de Saúde (SES). São duas vagas para clínica médica e duas para epidemiologista, com carga horária de 40 horas semanais e remuneração de R$ 6.639,23 e R$ 3.412,14, respectivamente.

O período de inscrições e envio de documentos para a avaliação curricular vai até quinta-feira (9). Este novo certame foi aberto para suprir as vagas que restaram em aberto devido ao número insuficiente de candidatos aprovados no processo seletivo simplificado anterior.

Os resultados preliminares das solicitações de inscrição serão publicados no dia 16 de julho. Às 08h do mesmo dia começa o período recursal e segue até às 17h do dia 17 de julho. Os resultados dos recursos serão divulgados no dia 22 de julho.

No dia seguinte, dia 23 de julho, serão publicados os resultados definitivos das inscrições, o resultado final, homologação do processo seletivo e convocação dos candidatos aprovados. Já a apresentação de documentos, comprovação de requisitos e contratação dos candidatos será realizada nos dias 28 e 29 de julho, em horário a ser definido em edital.

Em casos de dúvidas, os candidatos devem entrar em contato pelo telefone (67) 3318-1466, não será feito atendimento presencial. O edital de abertura do processo seletivo está nas páginas 51 a 59 da edição nº 10.214 do Diário Oficial do Estado.

Como se inscrever

O período de inscrição vai até às 17h de quinta-feira (09), pelo site.  No portal, clicar no botão “concursos públicos e processos seletivos” e sem seguida acessar o campo “processo seletivo – SAD/SES/VS-NS-II/2020 – vigilância em saúde II”, onde está disponível o formulário de relação de documentos.

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!