Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DENÚNCIA

Consórcio Guaicurus ainda não tem escala de transporte para profissionais da saúde

Mesmo após reuniões entre as partes envolvidas, decisão não é fixa e pode mudar a qualquer momento, segundo motoristas de ônibus
21/03/2020 09:17 - Camila Andrade Zanin


 

Os efeitos negativos causados pelo novo coronavírus (Covid-19) vão além da doença. Ontem (20), o prefeito Marquinhos Trad anunciou a suspenção da circulação dos ônibus em Campo Grande. Mesmo com a realização de reuniões para se criar uma dinâmica, o Consórcio Guaicurus ainda não tem uma escala fixa de transporte para os profissionais de saúde, conforme denunciaram motoristas ao Correio do Estado.

Ainda em fase de construção de novas dinâmicas e organização, as adaptações que estão sendo feitas de forma progressiva, rotina causam estresse e ansiedade na população. A declaração do prefeito causou um alvoroço na parte da população que depende do transporte coletivo. As pessoas que precisam realizar tratamento semanal de saúde, e os profissionais de da área, que dependem da circulação de ônibus para chegar a seu local de trabalho e/ou tratamento, são os mais afetados.

Um motorista, que não quis se identificar, explica que as coisas ainda estão instáveis, mas que por hora estará circulando a frota reduzida. Os decretos da prefeitura são medidas preventivas para evitar que a contaminação continue a se disseminar. “Estamos a disposição das ordens que vem da equipe da prefeitura. A orientação, por enquanto, é para soltura da frota reduzida, um ônibus por linha nos bairros. E para atendimento das áreas em funcionamentos essenciais, como saúde, farmácia e redes de supermercados”.

De acordo com o funcionário, hoje e amanhã os ônibus circularão com horário de feriado. Não há confirmação de como será segunda-feira (23), contudo, ainda pode acontecer de parar a circulação total, de acordo com o motorista. “Recebemos muita reclamação dos funcionários da área de saúde. Ao menos um terço reclamou de não ter condições de ir para o trabalho por não  ter condução própria. Então teve essa ‘decisão’ na reunião de ontem a noite”. Ele complementa.

Por fim, o motorista explica que de manhã, a prioridade é atender os profissionais da saúde, que vão para Santa Casa e para os postos. “Todas as pessoas pagam, desceu de um  ônibus, vai embarcar em outro, paga... Desceu no terminal, paga. Só estamos usando a porta dianteira para embarque, e as traseiras somente para desembarque”.

A Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), com o consórcio e a prefeitura, estão buscando alternativas. Através de reuniões com os profissionais da saúde, o intuito é traçar uma estratégia de como fazer esse trajeto, para que os serviços essenciais não sejam prejudicados. A expectativa é que partir de segunda as decisões estejam tomadas e esclarecidas para população.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.