Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

ÔNIBUS VS. VANS

Consórcio Guaicurus busca Justiça contra lei que permite vans escolares

Mesmo a decisão passando a valer a partir de amanhã (16), a concessionária insiste em revisão da lei
15/09/2020 17:30 - Da Redação


O Consórcio Guaicurus entrou com um Pedido de Tutela Cautelar em Caráter Antecedente contra uma alteração em lei municipal que autorizou veículos com capacidade acima de 7 ocupantes a atuarem como transporte coletivo escolar remunerado individual.

A lei fixa a decisão enquanto durar a situação de calamidade pública devido à pandemia do novo Coronavírus. De acordo com o texto, a lotação deve ser restringida a 50% da capacidade do veículo. 

"Isso traz insegurança para quem já é prestador desse serviço. 

O problema não é ser uma alternativa diferente para os passageiros, mas sim fragilizar uma categoria que já existe.", destacou o diretor presidente do Consórcio, João Rezende.

De acordo com o texto do Pedido de Tutela Cautelar, a intenção é que a alteração na lei, que entra em vigor a partir desta quarta-feira (16), seja revisada, estabelecendo novos critérios para a permissão.

Ainda segundo João Rezende, a concessionária vem se desdobrando para atender todo público, ainda mais tendo em vista as dificuldades impostas pela onda da covid-19, e adicionar as vans e micro ônibus como parte do transporte público, dividindo o mesmo horário de funcionamento que eles, gera um desequilíbrio desleal.

Também como parte das revisões está a questão do valor da cada corrida. 

Dentro da nova norma, as viagens nestes veículos são compartilhadas e o valor a pagar é definido pelo próprio aplicativo, indo na direção oposta das tarifas de ônibus previamente fixadas pelo Governo.

LEIA também as últimas notícias 

 
 

Felpuda


As eleições do segundo turno, encerradas no domingo (29), descortinaram panorama de como será a briga eleitoral em 2022.

Os partidos das chamadas extremas direita e esquerda, no cômputo geral, tiveram o repúdio das pessoas nas urnas, que contrariaram, nos dias das votações, o dito popular de que na briga entre o rochedo e o mar quem apanha são os mariscos. Desta feita, decidiram escolher ficar em águas mais tranquilas pelos próximos quatro anos, evitando extremistas.