Clique aqui e veja as últimas notícias!

DINHEIRO PÚBLICO

Consórcio Guaicurus quer ajuda do poder público e mantém pedido de subsídio

Presidente do grupo de empresas responsáveis pelo transporte coletivo na Capital diz que há dificuldade para arcar com as despesas de operação da concessão
21/12/2020 09:00 - Beatriz Magalhães


O presidente do Consórcio Guaicurus, João Rezende, disse que o grupo precisa de subsídio do poder público, sobretudo neste ano de pandemia, para que o reajuste da tarifa não pese no bolso dos usuários.

A resposta de Rezende veio ao comentar a possibilidade de o bilhete na Capital passar de R$ 5; ela existe, pois é o que ocorrerá se a prefeitura, poder concedente, aplicar o que o contrato prevê, conforme divulgou na semana passada, em primeira mão, o Correio do Estado.

Últimas notícias

A prefeitura, porém, não deve permitir que o passe supere os R$ 5, conforme afirmou o diretor-presidente da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg), Vinícius Leite Campos: “O prefeito, de forma alguma, vai elevar a esse valor”. Atualmente, o passe do transporte público custa R$ 4,10.

Para o presidente do Consórcio Guaicurus, grupo de empresas responsáveis pelo transporte coletivo em Campo Grande, existe um contrato que deve ser seguido, portanto é preciso analisar como isso vai funcionar. 

“É mesmo difícil praticar uma tarifa de R$ 5, mas tão difícil quanto é a empresa arcar com valores que não são de sua competência”, argumenta.

De acordo com Vinícius Leite Campos, o cálculo leva em conta uma série de índices, e para o próximo ano, o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) voltou a compor o montante. O acréscimo de 3% corresponde à decisão judicial após pedido do Consórcio Guaicurus.

Na espera

Sobre a afirmação da prefeitura de que a tarifa não vai chegar a ultrapassar o sugerido pela técnica, João Rezende afirma que vai aguardar uma comunicação oficial por parte do poder público.

“Se a administração municipal diz que não vai seguir a tarifa técnica, ela deve tomar outra medida que garanta a subsistência do serviço”, comenta.