Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

SUPERAÇÃO DA COVID-19

Contra as estatísticas, casal se recupera junto da Covid-19 e sai cheio de esperança do hospital

Depois de internados por 11 dias, Márcio e Santa Quintanilha deixam hospital com muita festa
24/08/2020 10:24 - Rodrigo Almeida


Apesar de estarem no grupo de risco e de ficarem internados por 11 dias, o casal Márcio Antônio Quintanilha, 67, e a esposa Santa Quintanilha, 65, conseguiram vencer a covid-19. 

Graças à rápida ação médica e cuidados intensivos da Santa Casa de Campo Grande, a história desse casal teve um final feliz. 

O histórico de obesidade e hipertensão de Márcio, somado ao diabetes e doença cardíaca compartilhados com a mulher não os transformaram em mais uma triste estatística. 

Desde o começo da epidemia de covid-19, pacientes como os dois são os mais propensos a morrer. São 738 óbitos até sábado (22) em Mato Grosso do Sul. O mais preocupante é que 70% deles são de pessoas com o perfil do casal. 

De acordo com Santa, depois de ter contato com uma colega de trabalho, Márcio chegou em casa preocupado, pois poderia estar com a doença. No dia seguinte, ele já acordou com tosse. 

Devido ao rápido surgimento dos sintomas, ele entrou em contato com o cardiologista que já recomendou medicamentos protocolares e exames para confirmação da doença. 

Nos três dias antes da confirmação, o casal tomou azitromicina, um antibiótico antibacteriano específico para combate a infecções nas vias aéreas e contra Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e a polêmica hidroxicloroquina, medicamento usado no combate à malária e o lúpus. 

Além disso, foi pedido uma tomografia do pulmão, que no caso de Márcio demonstrara comprometimento do órgão em 25%. 

Com o resultado positivo em mãos, o cardiologista mandou os dois para o hospital. “Lembro que achamos que não precisaríamos, mas ele foi nosso anjo da guarda e pediu para irmos”, relembra Santa. 

Depois de longos 11 dias internados sem precisar de tratamento intensivo nem intubação, o casal teve alta as Santa Casa de Campo Grande com muita festa. 

Segundo o enfermeiro Ildo Flávio da Silva, eles demonstram muita força. “Dona Santa melhorou mais rápido, mas se recusou a sair sem o seu Márcio. Foi muito bacana. Entraram juntos e saíram Juntos”. 

Já o fisioterapeuta intensivista Maxwillyan Silva disse que “encarar essa doença juntos, de mãos dadas até o final foi excelente”. 

Na saída do hospital, o casal, sob uma salva de palmas dos profissionais, agradeceu bastante a Deus, Jesus e à equipe médica. Para Márcio o atendimento foi de especial, profissionais “que trabalham com amor verdadeiro, amor ao próximo, coisa rara de se ver hoje em dia”. 

O senhor, agora recuperado, estendeu os elogios aos funcionários de todos os escalões da Santa Casa, fisioterapeutas, enfermeiros, auxiliares, equipe de limpeza e diretoria. 

Quanto a Dona Santa, para ela o momento agora é de abraçar os dois filhos e os seis netos. “Saímos daqui vivos, cheio de esperança e de amor”. 

 
 

Felpuda


A futura composição  dos 29 vereadores  em Campo Grande poderá ser diferente  da que foi oficializada, segundo o que  se tem ouvido,  com certa frequência, nas rodinhas de conversas dos meios políticos.  

Nova distribuição  das cadeiras poderá ocorrer e, assim, quem está prestes a entrar com pompa e circunstância poderá nem passar pela porta de entrada  e tomar posse de cadeira  para chamar de sua.  

O caldeirão está fervendo.