Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Diagnosticado com Covid-19, neto de Ueze Zahran continua em quarentena e diz sentir pouco efeito do vírus

Estudante tem mostrado como lida com o isolamento em várias publicações nas redes sociais
18/03/2020 15:32 - Natalia Yahn


 

Cinco dias após confirmar nas redes sociais que está com o novo coronavírus, o estudante Ueze Zahran Stamatis, 27 anos - neto do empresário Ueze Zahran - voltou a falar com o Correio do Estado sobre o dia a dia de isolamento e a repercussão do caso dele no Brasil. Ueze, que mora em São Paulo, está em quarentena e sente poucos efeitos do vírus. Ele afirma que fica o tempo todo no quarto, deitado e jogando vídeo-game com outros amigos online, e também tem tomado, por indicação médica, dipirona para controlar as dores no corpo.

O estudante se tornou um verdadeiro porta voz dos infectados, mostrando como lida com o isolamento em várias publicações nas redes sociais. Ele também já foi entrevistado pela internet até pela CNN no Brasil e outros veículos nacionais. E mesmo sem sair de casa, recebe alguns mimos, sempre tomando cuidado. “Uma amiga mandou pudim pra mim. E quando fui na porta pegar, sempre de máscara”, disse.

Ele suspeita que foi infectado pelo vírus no aeroporto de Guarulhos (SP) onde esteve com a namorada Thayany Silva , 23 anos, na quarta-feira (11), mesmo dia que ela participou de uma festa na casa noturna Valley, na Capital. “Eu peguei no aeroporto, talvez. No Rio (de Janeiro) meus amigos que estavam comigo não estão com coronavírus. Fui pra lá de carro e ninguém se infectou”. Ela também teve o vírus confirmado no sábado (14), um dos dois primeiros casos em MS que agora já tem seis confirmações da doença.

No dia que teve o vírus confirmado, Ueze afirmou ao Correio do Estado que pediu para a namorada não sair de casa. Porém, nesta nova entrevista, ele afirma que a alertou para não ir nas festas seguintes - na quinta-feira (12) e na sexta-feira (13) - e ela realmente iniciou a quarentena. “Eu avisei para ela não ir na formatura, que era na sexta-feira. Na quarta eu estava indo ao hospital, e só no dia seguinte que tive a confirmação”.

Sem se abalar com alguns ataques que sofre na internet ele continua postando e interagindo, até com quem faz críticas. “Eu recebi mensagem (com críticas), mas é besteira. É gente de cabeça fraca. Não é culpa dos chineses, mas obviamente o vírus começou lá, da mesma forma que o zika foi aqui e o ebola na África”.

Mas o estado de saúde, apesar de bom, ainda tem sinais de que ele não se recuperou. “Estou tranquilo, porque tem amigos meus que ficaram próximos, dormiram na minha casa e não estão com o vírus. Minha namorada está bem, sem sintomas. Os médicos dizem que não necessariamente a pessoa vai ter gripe forte e ou febre. Eu tive, oscilou entre normal e do nada 39°C”, finalizou.

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.