Clique aqui e veja as últimas notícias!

FEITO

Promovida a Coronel, Neidy fala sobre sonho de alcançar o posto mais alto da PM

Coronel falou sobre a promoção e desafios da carreira como mulher militar em Mato Grosso do Sul
14/11/2020 17:02 - Da Redação


Aos 45 anos e um importante currículo, a então tenente-coronel Neidy Nunes Barbosa Centurião se tornou Coronel, sendo a primeira mulher a alcançar o posto alto da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul (PMMS).  O Correio do Estado obteve uma entrevista exclusiva da militar, onde ela falou sobre a carreira, desafios dentro da instituição e qual a expectativa sobre o futuro em sua carreira.

Coronel Neidy, nasceu em Coxim e entrou no para a corporação aos 17 anos em Costa Rica.  Representante de uma categoria especial de mulheres que lutam por espaços, principalmente em setores historicamente masculinos, a Coronel não abriu mão de constituir família. Contudo, conseguiu, de forma brilhante, conciliar o casamento e os filhos, hoje com 17 e 19 anos.

Tamanha dedicação, segundo ela, é fruto da boa educação que recebeu. “Minhas orientações são de berço, estão ali arraigadas no meu ser”, descreve, reconhecendo também o valor do aprendizado que recebeu da instituição. “Ela me ensinou e me treinou tudo que sei”.

E, claro, sente muito orgulho por alcançar um posto num lugar historicamente dominado pelos homens. “Sou muito grata à todas as mulheres precursoras na carreira que por muito tempo foram alvos de preconceitos”. Para a Coronel Neidy, será uma grande responsabilidade representá-las.

Depois de muito estudo e uma brilhante carreira que inclui passagens pela Companhia de Trânsito, Policiamento Montado, 1° Batalhão, Comunicação Social, comando da Cavalaria e o Subcomando da PM de Corumbá e do Batalhão Rodoviário, além da Policlínica e a fundação do Centro de Equoterapia da PMMS, a Coronel colhe os louros que plantou ao longo desses 27 anos. “Era meu sonho ser coronel e eu me preparei para isto”, resume.

A seguir a entrevista exclusiva  

Qual o critério usado para se alcançar a mais alta posição na PMMS?

“Promoções ocorridas com interstícios definidos e escolhas por tempo de serviço e merecimento através da pontuação somada com o decorrer do tempo, cursos realizados e conceitos somados no decorrer da carreira. Minhas orientações são de berço, estão ali arraigadas no meu ser”

O que levou a Senhora a escolher este caminho profissional aos 17 anos?

“Na época em que fiz o concurso o que me motivou foi a necessidade de melhorar de vida. Não havia muitas oportunidades para cursar uma faculdade na época. Mas com o passar do tempo fui me apaixonando pela instituição. Então o que seria um trampolim, digamos assim, acabou se tornando a minha paixão e a minha vida.”

Qual a maior dificuldade (ou as maiores) para uma mulher se destacar num ambiente historicamente masculino?

“Estamos construindo nosso local de trabalho, inclusive junto à população, que por vezes não aceita o atendimento feminino oferecendo resistência.”

Alguma vez foi colocada em xeque sua capacidade profissional pelo fato de ser mulher?

“De modo geral, a população ainda vê a Polícia como uma instituição que usa a força para limitar a sua liberdade de ir e vir. E ainda há muita resistência à autoridade das mulheres, já aconteceu casos comigo em que tive que fazer uso da força porque o indivíduo em questão não queria ser preso por uma policial, por uma mulher. Quando somos chamados para manter a ordem em conveniências, por exemplo, é comum ouvir ofensas de homens, principalmente quando estão alcoolizados.”

O centro de equoterapia é um serviço extraordinário e muito valioso para as crianças e suas famílias. O que motivou a senhora a criação deste centro?

“Foi o meu marido (que hoje já está na reserva da Polícia Militar) que na época fazia parte da Cavalaria, quem me despertou para isso. Ele fez o curso de equoterapia na Ande-Brasil em Brasília, e trouxe a ideia de fundar o Centro. Na época eu estava de licença maternidade. Mas em seguida, junto com uma equipe formada por fisioterapeutas, psicólogos, pedagogos e profissionais de equitação também fizemos o curso. Hoje temos uma excelente equipe e eu passei a ser voluntária.”

De toda a sua experiente carreira qual foi a tarefa que mais lhe trouxe desafios?

“Trabalhar na unidade de saúde (Policlínica da Polícia Militar) tendo que superar a falta de conhecimento técnico. Enfrentei muita dificuldade no princípio. Mas a experiência acabou completando meu currículo.”

Qual é a sua maior inspiração no trabalho?

“A possibilidade de sempre poder ajudar as pessoas. Atender o próximo e interagir, resolver problemas, salvar a vida das pessoas, que estão ali esperando socorro, são coisas que me inspiram.”

A Senhora esperava alcançar este posto?

“Eu sempre sonhei em ser coronel. Por isso trabalhei, estudei muito e me capacitei para isto.”

O que a Senhora gostaria de mudar ou fazer pelo País?

“ Gostaria de diminuir a dependência química que tanto desestrutura as famílias brasileiras.”

*Com informações da Subsecretaria de Comunicação do Governo de Mato Grosso do Sul (Subcom).