Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

POLÍCIA

Corpo é encontrado ao lado de caminhonete carbonizada perto da Cachoeira Ceuzinho

Homem de 40 anos ainda não foi identificado, vítima apresenta indícios de enforcamento
12/09/2020 11:29 - Gabrielle Tavares


Um corpo carbonizado de um homem não identificado, de aproximadamente 40 anos, foi encontrado no início da manhã deste sábado, na entrada da Cachoeira Ceuzinho, em Campo Grande, ao lado de uma caminhonete, modelo Ford Ranger, incendiada. O acesso à cachoeira localiza-se próximo à saída para o município de Rochedo.

De acordo com as investigações, o homem apresenta sinais de corte, ocasionados por uma garrafa de vidro, na região do pescoço.  

As marcas podem ser indício de que a vítima foi enforcada. Peritos conseguiram coletar digitais nas garrafas que estavam nas proximidades do veículo.

O corpo só estava vestido com roupas íntimas. Ao lado da vítima, foi encontrada uma pedra, que, segundo o delegado Leandro Costa de Lacerda, possivelmente foi usada para atingir a cabeça do homem.

 
 

A Polícia Civil se dirigiu até o local para atender uma ocorrência de incêndio. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas as chamas já tinham se apagado quando chegaram ao local.

Há marcas das chamas na vegetação ao redor do corpo. Além da perícia civil, equipes da Polícia Militar e o Grupo de Operações e Investigações (GOI) estão no local.

O corpo foi levado ao Instituto de Medicina e Odontologia Legal (IMOL), e a equipe agora investiga de quem é o carro queimado.

Ponto Turístico

A Cachoeira do Ceuzinho atrai visitantes da Capital e até mesmo de São Paulo, que desejam fazer trilhas. Fica localizada a cerca de 15 km do centro de Campo Grande. 

 

Felpuda


As eleições do segundo turno, encerradas no domingo (29), descortinaram panorama de como será a briga eleitoral em 2022.

Os partidos das chamadas extremas direita e esquerda, no cômputo geral, tiveram o repúdio das pessoas nas urnas, que contrariaram, nos dias das votações, o dito popular de que na briga entre o rochedo e o mar quem apanha são os mariscos. Desta feita, decidiram escolher ficar em águas mais tranquilas pelos próximos quatro anos, evitando extremistas.