Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONTRATOS

Governo de Mato Grosso do Sul compra medicamentos para Covid-19 por R$ 1,3 milhão

Para agilizar processamento de exames, também foi comprada máquina para o Laboratório Central
20/08/2020 10:45 - Adriel Mattos


O governo de Mato Grosso do Sul adquiriu R$ 1,3 milhão em medicamentos para tratar os sintomas da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Os extratos dos seis contratos foram publicados na edição desta quinta-feira (20) do Diário Oficial Eletrônico (DOE).

O primeiro, assinado com a Realmed Distribuidora, é para a compra de amicacina, por R$ 3,2 mil. O segundo trata da aquisição de clorpromazina, por meio da Via Fharma do Brasil por R$ 720.

Através da Cristália Produtos Farmacológicos, foi comprado fluconazol e diazepam, totalizando R$ 60,3 mil. Da Dimaster Comércio de Produtos Hospitalares, foram adquiridas 52,7 mil caixas de Dipirona, por R$ 35,2 mil.

Por R$ 575,7 mil, foi adquirido da Costa Camargo Comércio de Produtos Hospitalares meropenem. E da União Química Farmacêutica, foram adquiridos propofol e midazolam, por R$ 625,6 mil.

 
 

MÁQUINA

Outro contrato assinado pelo governo visa agilizar a realização de testes para diagnosticar a doença. A meta é entregar os resultados em 72 horas, que não está sendo cumprida devido ao alto volume de amostras.

Por causa disso, parte delas está sendo processada pelo Instituto Butantan, de São Paulo; Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Rio de Janeiro; e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Pantanal.

O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-MS) passa a contar com um extrator automatizado de material genético DNA e RNA, comprado da Qiagen Biotecnologia por R$ 293 mil.

 

Felpuda


Casal de políticos muito conhecido a-do-ra cargos públicos, e, assim, “um puxa o outro” na maratona política, que inclui disputa de mandatos, direção de órgãos e até mesmo nomeações com prerrogativa de não ter de bater ponto. A nova empreitada agora é conquistar uma das prefeituras do interior. Em caso de derrota, é quase certo que os nomes de ambos deverão aparecer no Diário Oficial antes mesmo do fim deste ano.