Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INQUÉRITO E RECOMENDAÇÃO

Covid-19: Ministério Público cobra informações de hospitais

Promotoria investiga se unidades estão informando regularmente dados de internações de casos suspeitos e confirmados
31/07/2020 10:16 - Adriel Mattos


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MPMS) abriu inquérito civil para apurar se os hospitais de Campo Grande estão informando regular e corretamente os dados de internações relativos à Covid-19.

Além desse procedimento, a 32ª Promotoria de Justiça recomendou que as unidades públicas, as credenciadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) e privadas informem a Secretaria de Estado de Saúde.

Ambos os textos foram publicados na edição desta sexta-feira (31) do Diário Oficial do órgão. A promotora Filomena Fluminhan deu prazo de 48 horas para os hospitais responderem a demanda.

Na recomendação, a promotora destaca que há indícios de irregularidades na alimentação do sistema, prejudicando o monitoramento e também a atuação das secretarias de estado e municipal de Saúde no planejamento da resposta ao enfrentamento da pandemia da doença causada pelo novo coronavírus.

Filomena também notificou a Câmara Municipal, a Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (Alems), o Conselho Regional de Medicina (CRM) e a seccional estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS).

 
 

São esses os hospitais que devem responder o MPMS:

  • Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS) Rosa Pedrossian
  • Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap-UFMS)
  • Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande
  • Hospital da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul
  • Hospital Unimed Campo Grande
  • Hospital Proncor
  • Hospital Geral El Kadri
  • Clínica Campo Grande
  • Hospital Adventista do Pênfigo
  • Hospital de Câncer Alfredo Abrão
  • Associação de Amparo à Maternidade e à Infância (AAMI)
  • Maternidade Cândido Mariano
 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.