Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ÍNDICES

“Toque de recolher diminuiu violência e criminalidade”, avalia Marcos Trad

Neste primeiro mês do 'toque', 900 estabelecimentos precisaram de orientação
22/04/2020 14:26 - Daiany Albuquerque, Fábio Oruê


 

Instaurado desde o dia 21 de março como forma de combate ao avanço do coronavírus em Campo Grande, o toque de recolher - de 22h às 5h - causou a diminuição dos índices de violência e de criminalidade, conforme avaliou o prefeito Marcos Trad (PSD), durante transmissão ao vivo, no final da manhã de hoje (22).

“O toque de recolher diminuiu o índice de violência e de criminalidade na nossa cidade abruptamente. A Guarda Municipal tem feito a fiscalização e o cumprimento do decreto”, disse ele.  Ainda segundo Trad, neste primeiro mês de toque de recolher 900 estabelecimentos foram orientados a fechar - uma média de 30 por dia  - e 2,2 mil pessoas abordadas após o horário permitido e orientadas a sair das ruas.

Dados do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) sobre audiência de custódia reforçam a avaliação do prefeito da Capital. Entre uma noite e outra, - 13 e 14 de abril - o número de prisões em flagrante caiu 59,25% em Campo Grande. Até o dia 13, 27 pessoas haviam sido presas em flagrante – a maioria por violência contra a mulher –, e 11 detidos foram apresentados no plantão judiciário do dia 14 – a maioria por roubos e furtos.

Já no dia 15, o plantão criminal da comarca do município precisou analisar apenas três prisões em flagrante realizadas durante todo o dia 14. Dois furtos e um disparo de arma de fogo foram os únicos delitos trazidos à apreciação da justiça nesta data.

 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.