Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPANHA

De porta em porta, agentes de saúde de Ladário levam vacina contra H1N1 a idosos

Professores, crianças e outros integrantes do grupo de risco serão vacinados em breve
24/03/2020 08:46 - Ricardo Campos Jr


Com início da campanha de vacinação contra a H1N1 alguns municípios encontraram dificuldade quanto a logística de aplicação para evitar aglomerações por conta do novo coronavírus. Não é o caso de Ladário, cidade a 426 km de Campo Grande. Lá, os idosos sequer precisaram sair de casa para receber a vacina. A secretaria de Saúde local informou o Correio do Estado que agentes de saúde estão percorrendo domicílio a domicílio aplicando as doses.

Idosos e profissionais da saúde são os primeiros alvos por serem os mais vulneráveis à doença. Professores, crianças e outros integrantes do grupo de risco serão vacinados em breve, seguindo um calendário pré-determinado.

A medida, além de evitar aglomerações, garante que grande parte do público-alvo será imunizado, já que as cidades têm uma meta para cumprir. “Dessa forma, nós conseguimos chegar a esses idosos com mais facilidade e aumentamos os índices de resultado”, disse ao Correio do Estado o titular da Secretaria de Saúde daquele município, Denilson Márcio.

Para que a estratégia se tornasse realidade, a Prefeitura se antecipou e mandou os agentes comunitários visitarem todos os maiores de 60 anos de suas regiões. Uma lista foi repassada aos coordenadores para definição de uma agenda. 

As visitas, conforme o secretário, devem acontecer ao longo desta semana e da semana que vem, já que existem mais de mil idosos cadastrados. “Aqueles que não estão cadastrados poderão se vacinar em tempo oportuno. Será definido um local aberto no próprio bairro para que eles possam se deslocar e receberem a imunização”, explica.

Se a medida der certo, Ladário não descarta adotar o mesmo esquema nas próximas etapas, quando entram na campanha professores, crianças, portadores de doenças crônicas, etc. 

Em Água Clara também tem vacinação a domicílio, mas apenas para os idosos que tiverem dificuldades de locomoção e não puderem ir ao Ginásio Municipal, onde estão sendo aplicadas as imunizações. O local foi escolhido por ser amplo e capaz de evitar aglomerações.

CAMPANHA
Em Corumbá, os poucos frascos disponíveis do produto esgotaram em pouco tempo. A expectativa do órgão é que remessas vindas do Governo Federal cheguem em Campo Grande durante a tarde para que funcionários as busquem na terça-feira e a ação recomece apenas na quarta-feira.

Já em Três Lagoas o problema é a indefinição quanto à logística de vacinação. A secretaria de Saúde local ainda está analisando e avaliando quais procedimentos serão adotados para evitar grandes concentrações de pessoas e facilitar a disseminação do coronavírus. 

Ao Correio do Estado, a assessoria de imprensa da Prefeitura informou que a campanha terá início até sábado e em breve divulgará datas e horários.

CAMPO GRANDE 

Na Capital, a vacinação começa na terça-feira por determinação do Município, já que nesta segunda todo o esquema para imunizar o público-alvo já está definido.

Tendas serão montadas em frente às unidades de saúde Parque do Sol, Ana Maria do Couto, Dona Neta (Guanandi), Silvia Regina, Santa Carmélia, Vila Nasser, Estrela Dalva, Buriti, São Conrado e na Clínica da Família do Nova Lima. Os locais funcionarão das 7h às 11h e das 13h às 17h.

Além disso, 50 farmácias se voluntariaram para servir como postos de vacinação. A recomendação é que as pessoas procurem os pontos mais próximos de suas casas para que não se concentrem em um só local. Esses estabelecimentos funcionarão das 8h às 11h e das 14h às 18h.

Na segunda maior cidade do Estado, a campanha de vacinação já teve início, segundo informações da Prefeitura de Dourados nas redes sociais. Contudo, não foi divulgado se haverá esquema especial.

CALENDÁRIO

No dia 16 de abril começa a segunda etapa a nível nacional. Ela inclui doentes crônicos, professores (rede pública e privada) e profissionais das forças de segurança e salvamento.

A última fase, que começa no dia 9 de maio, priorizará crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com 55 a 59 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com deficiência, povos indígenas, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

 

*Colaborou Bruna Aquino

 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!