Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE 121 ANOS

Medidas de distanciamento podem ajudar no estreitamento de laços familiares

Apesar do estresse que a situação da pandemia trouxe para todos, a presença constante dos pais em casa ajuda no desenvolvimento das crianças
26/08/2020 14:00 - Daiany Albuquerque


O isolamento social causado pela pandemia de Covid-19 trouxe muitos desafios para os campo-grandenses, entre eles, a convivência 24 horas por dia com seus familiares. 

Apesar do estresse desse momento, um fator positivo pode ser levado para o resto da vida: o fortalecimento dos laços familiares, alcançado com uma maior dedicação a quem está a seu redor.

Para a doutora em Educação e psicopedagoga Gisele Morilha Alves, lembrar de alguns momentos alegres que família teve junto pode ajudar a passar por esse momento mais leve. 

“Essas pessoas podem jogar alguma coisa, conversar. Relembrar momentos bons ajuda a estabelecer vínculos entre os familiares”, indica.

Além do isolamento, muitas famílias também têm o desafio de auxiliar as crianças no desenvolvimento educacional, já que as aulas presenciais estão paralisadas desde março na cidade. Essa rotina de estudos se modificou muito durante a pandemia: no lugar da ajuda em tarefas, agora pais e responsáveis também se tornaram professores.

Essa nova tarefa desafiadora, segundo Alves, pode ser algumas vezes estressante, mas manter a calma é essencial para conseguir ajudar o estudante e também para manter a harmonia. 

Outro ponto que ela estabelece como primordial é o estabelecimento de horários, tanto de estudo como de atividades em família.

“Mantenha uma rotina de estudo. Aquele horário que a criança deveria estar na escola, que estabeleça para que faça suas atividades escolares; se já acabou o caderno, faça uma leitura, uma conta matemática, trabalhe com desafios, mantenha ritmos de estudos e estabeleça lugar para que as crianças fiquem e façam cadernos de atividades”, orienta a especialista.

Segundo a doutora em Educação, crianças assistidas por pais ou responsáveis que mantenham essa rotina terão mais facilidade no aprendizado e levarão ganhos para o futuro. 

“Se a criança tem um local para estudar, tem alguém para acompanhá-la, ela aprende, inclusive, a ter uma autonomia. Então, se o pai, a mãe ou o responsável tiver condições e se a criança assiste as aulas pelo celular, pela televisão e tem alguém para dar suporte, ela consegue se desenvolver”.

Rotina

Esse tempo de distanciamento está sendo também de conhecimento para a família de Renata Carolina Teodoro do Nascimento, mãe da pequena Eduarda, de 8 anos. 

A auxiliar administrativa deixou o trabalho em fevereiro e, desde março, mudou sua rotina para ajudar a criança com os estudos.

“Tem hora que ela fica meio triste porque não pode sair, mas a gente sempre tenta fazer alguma coisa para distrair. Mas está sendo muito bom, estou vendo como ela está na escola, o desenvolvimento dela, porque às vezes, na correria durante a semana, a gente não percebe tanto. A gente está mais próxima, ela sempre foi grudada comigo, mas agora está mais, porque tudo a gente faz junto. Está sendo muito bom dentro de casa, a gente fica mais próximo”, declarou.

O marido também tem ficado em casa, trabalhando em home office durante a pandemia, e a rotina, que antes era corrida, agora segue outro ritmo. 

“Antes da pandemia, eu estava trabalhando. Eu acordava cedo, pegava a Eduarda, levava para a minha mãe e trabalhava o dia inteiro, até 18h. Durante o almoço, eu pegava ela e levava para a escola. Nos fins de semana, a gente sempre tinha alguma coisa para fazer: saía, levava ela na casa de alguém, para passear, ir no parque ou no shopping", contou Renata. 

"Depois da pandemia, tem sido bem diferente, a gente só fica em casa, eu saio só para ir no mercado e tento fazer as coisas com ela, brincar. Como ela estuda à tarde, eu ajudo nas atividades e, quando ela termina, a gente faz um lanche, ela brinca na varanda, joga vôlei, tudo dentro de casa”, acrescentou.

Eduarda estuda em uma escola municipal e, durante a semana inteira, os professores mandam atividade pelo WhatsApp e pelos cadernos de atividades. 

“Eles criaram um grupo, e as professoras mandam vídeos gravados, explicando as atividades. A cada período as escolas fazem uma atividade. A gente faz a atividade, tira uma foto e manda para a professora”, contou.

 
 

Avaliação

Segundo a psicopedagoga, essa rotina e esse tempo para o estudo com a ajuda de alguém são muito importantes para que a criança consiga aprender mesmo longe da escola.  

“Tenho vários alunos mandando vídeos. Estamos avaliando o processo: não vai ter nota, mas, sim, participação. Se a porcentagem de questões que essa criança está conseguindo fazer for menor do que a metade, já começamos a pensar em atividades paralelas para ajudar naquela dificuldade”, contou Alves, que também trabalha na Rede Municipal de Ensino (Reme).

Antes da pandemia, ainda conforme Alves, havia alguns pais que acompanhavam a situação da criança na escola mais de perto e outros mais ausentes. O momento de isolamento pode ser usado para mudar isso. 

“Temos famílias de classe social com menos recursos que são presentes, e temos famílias com mais recursos que são ausentes. A pandemia pode ter mudado isso em alguns casos”.

Na casa da Renata, o tempo com a família era aos fins de semana, quando todos estavam de folga. 

“Durante a semana, era só mais à noite [que a gente ficava junto], porque eu trabalhava o dia inteiro e o meu marido também, e à noite a gente comia alguma coisa e assistia a um filme, no máximo. Eu acordava supercedo, então dormia cedo também. Era nos fins de semana que a gente fazia mais coisas”.

Agora, com a mudança, quem ganhou foi Eduarda, que tem os pais 24 horas em casa.

“Ela está adorando essa parte. Antes ela ficava contando nos dedos os dias, adorava o fim de semana porque ficávamos todos juntos. Ela falava: ‘Fim de semana a gente vai fazer o quê?”.

A psicopedagoga alerta que, apesar desse tempo com as crianças ser bom, também é preciso destinar um tempo para si. 

“Que o pai e a mãe tenham um horário de descanso, que tenham um tempo juntos, uma caminhada, ver filme, ler um livro. Quem está desempregado pode ter problemas emocionais e descontar na criança, então ele precisa de um tempo sozinho também”, orienta.

 
 
VEJA TAMBÉM

Felpuda


Partido político está vivendo processo de autofagia cá por essas bandas. Nada de ideologia ou defesa dos interesses dos filiados. O problema, segundo os mais observadores, é que lideranças não se contentaram em ter cada uma o seu pedaço e decidiram tomar conta com exclusividade do espólio, que, aliás, é regado com cifras milionárias. A legenda deverá se transformarem uma máquina de lavar, no caso, cheia de roupas sujas. E dê-lhe!