Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SOLIDARIEDADE

“Dividir com todo mundo”, diz lojista chinesa que distribuiu máscaras no Centro

Sem oferta de venda na Capital e com preço alto, comerciante preferiu ajudar do que lucrar
21/03/2020 08:30 - Daiany Albuquerque


 

Um dos itens mais procurados dos últimos dias, as máscaras descartáveis sumiram das prateleiras de farmácias e supermercados de Campo Grande. Os poucos que ainda tinham vendiam a preços maiores que o que eram praticados. Vendo a situação, uma lojista chinesa da Capital decidiu comprar o produto em São Paulo, entretanto, em vez de vender, ela decidiu distribuir.

A procura por máscaras e álcool em gel cresceu muito nos últimos dias, por conta do avanço do Covid-19, o novo coronavírus, no Estado. Segundo o boletim epidemiológico de sexta-feira (20) 12 pessoas foram confirmadas com a doença em Mato Grosso do Sul, sendo 11 em Campo Grande e uma em Sidrolândia.

Andando pela região central, a reportagem percebeu uma cena diferente. Com luvas nas mãos para não contaminar, as funcionárias de uma loja de variedades embalavam uma a uma as máscaras descartáveis em saquinhos plásticos e colocavam em uma caixa onde dizia “máscaras grátis”.

Muitos que passavam nem acreditavam no que estava escrito. “É grátis mesmo?”, indagou uma senhora, que prontamente foi atendida e levou a sua para casa.

“As pessoas não estão encontrando em lugar nenhum as máscaras, então eu trouxe de São Paulo. Mas aqui estão vendendo com um preço muito elevado, mas assim nem todo mundo pode ter, então eu decidi distribuir para todo mundo, para ajudar”, contou a comerciante, que preferiu não ter o nome divulgado.

Em tempos onde muitos tem aproveitado para lucrar com o desespero de uma população, a mensagem é forte e vem justamente de uma chinesa, que sabe a situação que o país de origem dela viveu e quis ajudar pessoas da cidade que ela escolheu para viver.

Na despedida, a comerciante ofereceu a equipe de reportagem do Correio do Estado as máscaras, mas como já tínhamos, preferimos não aceitar. Mesmo assim, ela insistiu que levássemos um frasco de álcool 70°.

A sexta-feira foi o último dia em que o comércio pode ficar aberto. Decreto da Prefeitura de Campo Grande determinou o fechamento de todos os locais que não oferecem produtos de última necessidade, como comida e remédios.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.