Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AÇÃO VOLUNTÁRIA

Varal solidário doa roupas e alimentos para moradores de rua

Moradora do Joquei Club conta com doações para manter o projeto
30/05/2020 13:23 - Gabrielle Tavares


 

A frente fria dos últimos dias em Campo Grande e a crise econômica decorrente da pandemia da Covid-19 despertaram a solidariedade de uma idosa de 75 anos, que montou um varal solidário com roupas de frio, em frente a sua casa, no Jardim Joquei Club.

A moradora, que não quis se identificar, também coloca alimentos em uma mesa na calçada ao lado das roupas. “Todo dia às 5h eu monto o varal aqui na frente e tiro no fim da tarde, quando escurece. É a hora que os trabalhadores estão indo para o serviço, são eles que precisam né”, explicou.

Os produtos são doações da própria senhora, de vizinhos e de pessoas que passam no local. “Me coloquei a disposição de fazer alguma coisa. Só não posso correr atrás de alimentos que o povo precisa. O pouco que coloquei hoje já levaram tudo”, comentou. Ela decidiu começar o projeto no início da semana, 25 de maio, e relata que todos os dias recolhe o varal praticamente vazio, “tem muitas pessoas carentes em bairros próximos daqui”, contou.

A idosa se emocionou ao dizer que se sente realizada ao ver que está ajudando quem precisa. “É uma felicidade, um prazer. Um jeito de soltar o coração. As pessoas têm o coração muito preso a coisas materiais e não sabem doar”, disse.

Para continuar com a iniciativa, a idosa disse que aceita doações de roupas, alimentos, cobertores e qualquer peça de frio. O varal fica na Avenida das Primaveras, em frente o número 685. “Quem quiser ajudar é só colocar ali no varal, nem precisa me chamar”, concluiu.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.