Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

HOMOLOGADO

Instituto vai gerir hospital de Dourados por R$ 715 mil mensais

Seleção teve início em janeiro deste ano, conforme publicação do Diário Oficial
24/04/2020 14:58 - Súzan Benites


Publicada na edição desta sexta-feira (24) do Diário Oficial Eletrônico (DOE), a homologação da empresa que venceu a licitação para gerenciar o Hospital Regional de Cirurgias da Grande Dourados. Conforme o documento, o Instituto Social Mais Saúde venceu a chamada pública.

Segundo as informações, assinadas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) de Mato Grosso do Sul, a organização social vai “gerenciar, operacionalizar e executar as ações e serviços de saúde” do Hospital Regional de Cirurgias da Grande Dourados. O valor do contrato é de R$ 715.815,40 mensais.

Não foi divulgado o período em que o contrato vai vigorar. A SES abriu chamamento público para a seleção no dia 9 de janeiro, conforme publicado no DOE. As entidades deveriam entregar as propostas em 11 de fevereiro, às 8h30, na  Superintendência de Gestão de Compras e Materiais (Sucomp), na sede da Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização (SAD).

Em junho de 2019, a organização social Gamp anunciou o encerramento de todos os projetos que tocava por todo o Brasil, incluindo a gestão do hospital de Dourados. Assumiu o Instituto de Ação, Cidadania, Qualidade Urbana e Ambiental (Acqua), que foi oficialmente contratado em dezembro para gerenciar a unidade por seis meses, por R$ 4,2 milhões.

ORGANIZAÇÃO

Com sede em São Paulo, o Instituto Mais Saúde administra unidades de saúde em São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. O instituto é uma organização social de saúde sem fins lucrativos, que exerce a gestão compartilhada do setor em conjunto com o poder público. De acordo com a página da entidade na internet, “nosso time é formado por profissionais multidisciplinares, movidos por um único propósito: humanizar e otimizar o atendimento à saúde”.

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.