Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRAGÉDIA

Em 2005, avião que caiu e matou advogado teve “danos graves” em sua estrutura

Aeronave já havia sofrido acidente com algumas semelhanças com o do último sábado
08/12/2014 13:00 - Eduardo Miranda e Lucia Morel


 

Apesar de estar em dia com os requisitos de manutenção da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), não foi a primeira vez que o monomotor Cessna 206, de prefixo PT-JSM, que caiu na manhã do último sábado (6), provocando a morte do  advogado Marco Tulio Murano Garcia, 44 anos, e do piloto Gênese Pereira, 55, envolveu-se em um acidente.  Em 2005, um pouso de emergência causou “danos graves” à estrutura da Aeronave, segundo o órgão federal.

Conforme os registros da própria Anac, e também do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), em 26 de fevereiro de 2005, o avião sofreu um acidente, com algumas semelhanças com o do último sábado. No acidente de 2005, conforme o relatório, “logo após a decolagem, a aeronave perdeu potência, embora não fosse percebida pelo piloto qualquer alteração significativa nos parâmetros do motor. Como perdesse altura, o piloto decidiu por um pouso de emergência em uma área à sua frente”.

Os relatos do último sábado também indicam uma situação parecida. O avião em que estavam o advogado e o piloto caiu 13 minutos após decolar do aeroporto Santa Maria. Mesmo aeroporto, aliás, de onde decolou em 2005. Também há suspeitas de pane no motor, que ocasiona perda de potência e, por consequência, de sustentação.

Sobre o acidente de 2005, a Anac fez uma anotação importante: “após o toque no solo, a aeronave colidiu sua  asa esquerda com uma árvore, sofrendo danos graves em sua estrutura”. Naquela ocasião, havia seis pessoas no avião, sendo que o piloto e um passageiro tiveram ferimentos leves, e os demais ocupantes saíram ilesos.

O Cenipa vai investigar o acidente ocorrido no último sábado. Conforme a Anac, a data de validade do Certificado de Aeronavegabilidade é 3 de julho de 2020, e a inspeção de manutenção mais recente ocorreu em julho último. O registro está em nome do empresário e pecuarista Jamil Name, para o qual Marco Túlio teria vendido a aeronave recentemente.

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!