Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADANIA

Em 2019, organizações sociais receberam 21% a mais de investimentos que 2018

Ao todo, 37 instituições do Estado foram beneficiadas
15/12/2019 09:12 - FÁBIO ORUÊ


 

Montante investido pelo Governo do Estado em Organizações da Sociedade Civil (OSC) foi 21% maior que 2018 neste ano. Dados da Secretaria de Estado de Direitos Humanos Assistência Social e Trabalho (Sedhast) mostram que em 2018 foram beneficiadas 34 organizações e neste ano foram 37.

Em 2018 e neste ano, o governo investiu mais de R$ 4,2 milhões em organizações que atendem a população do Estado. “Realizar o Chamamento Público é um ato que possibilita avançarmos em diversas áreas da sociedade, com um olhar mais de perto para as pessoas atendidas e para suas famílias”, destacou a titular da Sedhast, Elisa Cleia Nobre.

Uma das beneficiadas pelo Chamamento Público 2019 foi a Fundação Manoel de Barros. Com ações que atendem em média 80 idosos, com diversos trabalhos, aulas e oficinas, o Ativa Idade tem como objetivo o resgate da auto-estima e valorização pessoal do idoso, e é capitaneado pelo diretor da Fundação, Marcos Henrique Marques.

Ainda dentro da alçada de apoio para essas entidades, a Sedhast também orienta e auxilia em dúvidas relacionadas a documentação, bem como realiza credenciamento prévio das organizações junto à secretaria, visando possíveis parcerias futuras.

Confira todas as organizações beneficiadas em 2019, por eixo:

EIXO I – Criança e Adolescentes em Acolhimento Institucional: ADAS – Associação Douradense de Assistência Social – Instituição de Acolhimento Lar Ebenezer Hilda Maria Correa; Casa de Recuperação Infantil Padre Antônio Muller; Casa da Criança Peniel; Associação Crianças do Brasil – Segunda Casa; Centro de Apoio e Orientação à Criança Lar Vovó Miloca.

EIXO II – Prevenção e Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente – Contra Turno Escolar: Centro de Integração da Criança e do Adolescente – CICA; Instituto Atos de Amor; IAC – Instituto Ação e Cidadania; Asas do Futuro; Associação Cidade dos Meninos; IPC – Instituto Pequeno Cidadão; Fraternidade Despertar; AVIVAD – Associação Benemérica Avivamento de Deus;  Amina – Associação de Mulheres Independentes na Ativa; Associação Centro de Ensino Banda de Música Mirim – ASCEBAM; Associação Atlética Adote 1 Atleta.

EIXO III – Pessoa Idosa sem Regime de Moradia: Fundação Manoel de Barros; Associação de Moradores Arnaldo Estevão Figueiredo II; Associação de Apoio de Paciente com Câncer Amigos do Chitão; Projeto ATO – Amparar, Transformar e Orientar.

EIXO IV – Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida em Organizações sem regime de moradia: Cotolengo Sul-Matogrossense; Colibri – Associação de Educação Especial Marcelo Takashi; ADVIMS – Associação dos Deficientes Visuais de MS; Associação Pestalozzi – Campo Grande; Associação Assistencial Horizonte; APAE – Associação de Pais e Amigos Excepcionais – Três Lagoas; Associação Juliano Varela; ANPEDE – Associação Naviraiense de Pessoas com Deficiência; Associação Pestalozzi – Bonito; AMA – Associação de Pais e Amigos do Autista.

EIXO V – Famílias de dependentes químicos no processo de reabilitação em Comunidades Terapêuticas: Associação Ágape; Casa de Recuperação Jeová Jiré; Associação Assistencial Casa de Reabilitação Novo Olhar; Associação de Reabilitação Parceiros da Vida.

EIXO VI – Melhoria na Qualidade de Vida a Pessoa Idosa – Longa Permanência: Fundação Anália Franco; SIRPHA – Lar do Idoso; LAR DO IDOSO – Asilo da Velhice Desamparada de Dourados.

*Com informações da assessoria 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!