Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAPITAL

Em dois anos, prefeitura quer ampliar para 100 número de câmeras no Centro

Meta está na nova versão do Plano Municipal de Segurança Pública
08/07/2020 12:47 - Adriel Mattos


Nos próximos dois anos, a prefeitura de Campo Grande pretende ampliar o videomonitoramento na região central, instalando pelo menos mais 60 câmeras para atingir 100 equipamentos. É o que prevê a nova versão do Plano Municipal de Segurança Pública, válido até 2021.

Em janeiro, 17 câmeras com reconhecimento facial foram instaladas, totalizando 39 dispositivos. Além das câmeras do Centro, o videomonitoramento também será feito nas unidades da Rede Municipal de Ensino (Reme).

Também no prazo de dois anos, a Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social (Sesdes) pretende “reduzir a incidência de pequenos delitos, além de prevenir o aliciamento de crianças e adolescentes para o tráfico e uso de drogas, principalmente no ambiente escolar e áreas de lazer do município”.

Outra meta é ampliar a Patrulha Maria da Penha, divisão da Guarda Civil Metropolitana (GCM) que atende mulheres vítimas de violência, “dotando-a de equipamentos, maximização da frota da referida Patrulha e sistematização das informações recebidas através das medidas protetivas por meio do georreferenciamento”.

Já no prazo de um ano, a expectativa é instituir o Boletim de Atendimento (BA) para melhorar o registro de dados da Sesdes. Também foram estabelecidas como metas o aumento do patrulhamento no entorno de escolas e terminais do transporte coletivo.

 

Felpuda


Pré-candidato a prefeito de Campo Grande divulgou vídeo em que político conhecido Brasil afora anuncia apoio às suas pretensões. O problema é que o tal líder já andou sendo denunciado por mal feitos em sua trajetória, sem contar que o pai do dito-cujo teve de renunciar ao cargo de ministro por ter ligações nebulosas com empresa de agrotóxico. Depois do advento da internet, essa coisa de o povo ter memória curta hoje não passa de coisa “da era pré-histórica”.