Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Em meio a aumento de casos, prefeito reabre rodoviária para viagem interestadual

Maioria dos passageiros que chega a Campo Grande vem de São Paulo, estado com maior número de casos
17/06/2020 18:52 - Glaucea Vaccari


 

Em meio ao aumento de casos confirmados de coronavírus, prefeito de Campo Grande, Marcos Trad, autorizou que o Terminal Rodoviário da Capital retome o transporte coletivo interestadual de passageiros já a partir desta quinta-feira (18). Decreto foi publicado nesta quarta-feira (17), em edição extra do Diário Oficial do Municipal.

Conforme o decreto, é permitida a circulação e ingresso de veículos de transporte intermunicipal, que já estava autorizado, e também de outros estados, com desembarque obrigatório na rodoviária.

O transporte interestadual estava suspenso desde o dia 24 de março, como forma de prevenir a transmissão do coronavírus e entrada de pessoas de estados que tem pico da doença na Capital.  

Conforme a nova publicação, as empresas devem seguir as regras de biossegurança determinadas anteriormente, como circulação com 50% da capacidade, distanciamento dentro dos ônibus, pulando fileira de poltrona, e uso de máscaras por todos os passageiros. Além disso, os passageiros devem passar por aferição de temperatura no embarque e desembarque.

Rodoviária também deve cumprir regramento, com entrada permitida apenas para quem for embarcar e checagem da temperatura corporal já na porta, além das medidas de higienização no terminal.

Conforme informou o prefeito anteriormente, ao justificar a proibição das viagens, maioria dos viajantes que chegam a Campo Grande vem de São Paulo, estado com o maior número de casos da Covid-19 no Brasil. Os casos continuam avançando e prefeito não informou o motivo da nova flexibilização em plena pandemia.  

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.