Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAÚDE

Em meio ao temor com coronavírus, Campo Grande deve decretar epidemia de dengue

Pedido para decretar epidemia já foi encaminhado à Defesa Civil
27/02/2020 09:28 - Eduardo Miranda, Ricardo Campos Jr


Em meio a preocupação com a chegada do coronavírus entre a maioria da população, outra doença, muito mais conhecida dos moradores de Campo Grande, preocupa mais as autoridades de saúde. Trata-se da dengue, cujo avanço neste verão levará a prefeitura a decretar epidemia da doença nos próximos dias. Pelo menos esta é a expectativa do secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho.  

O secretário de Saúde disse na manhã desta quinta-feira (27) que já  recomendou à defesa civil do município a declaração do status de epidemia. A declaração foi feita durante mais uma etapa do programa “Mosquito Zero”, desta vez, na região urbana do Prosa.  

Conforme José Mauro Filho, tecnicamente, as autoridades de vigilância em saúde já atuam como se a cidade estivesse em epidemia. “Só falta o decreto”, disse.

Neste verão já foram notificados 6.239 casos de dengue (números de dezembro, janeiro e uma parcial de fevereiro). Só neste mês, foram 2.731 casos da doença notificados.  A doença já matou três pessoas neste ano. Nos dois primeiros meses de 2019, havia matado duas pessoas. 

Os casos de outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti são menores: são 50 notificações de zika vírus desde dezembro e 27 notificações de febre chikungunya.  

MOSQUITO ZERO

Desde que a Operação Mosquito Zero da prefeitura teve início, no mês passado, 15.540 imóveis já foram visitados, e foram eliminados 778 focos do mosquito que transmite dengue, chikungunya e zika. O volume de entulho removido enche 199 caminhões-caçamba. 

 
 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.