Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESPERANÇA PARA OS SOLTEIROS

Em potes, bolo de Santo Antônio terá 500 alianças escondidas em 4 mil unidades

Por conta da pandemia do coronavírus, tradicional bolo do santo casamenteiro precisou ser reformulado
11/06/2020 18:02 - Fábio Oruê, Glaucea Vaccari


 

Em ano diferenciado, 500 pessoas que procuram por casamento serão agraciados com alianças escondidas no tradicional bolo de Santo Antônio, o santo casamenteiro. Devido a pandemia do coronavírus, a tradição precisou ser modificada e em 2020, o quitute chegará aos fiéis em forma de 4 mil bolos de pote. 

“No feitio das massas a gente consegue fazer com poucas pessoas, mas quando monta e corta precisa de muita gente e fica uma aglomeração bem grande de pessoas, tanto de quem vai buscar quanto para entregar”, explicou a chef responsável pela confecção do bolo, Ana Paula Navarro ao Correio do Estado.

Ela conta que até cogitaram não realizar este ano devido às restrições impostas pelo coronavírus, mas a ideia do bolo de pote foi aprovada pelo padre e pela comunidade, o que permitiu a realização em 2020. “Para não passar em branco porque é tradicional”, disse.

 
 

Os materiais para a confecção do bolo foram totalmente doados pela comunidade e as massas começaram a ser feitas na segunda-feira (8). Mais de 50 voluntários trabalham na montagem nos potes, que começou ontem (10). 

Os potes estão sendo vendidos a R$ 5 e o ticket já está a venda, podendo ser adquirido na secretaria paroquial ou também nos finais das missas, na Catedral Nossa Senhora da Abadia e Santo Antônio de Pádua, na Travessa Lydia Baís, no Centro da Capital. 

Conforme Navarro, se todos os tickets não forem vendidos, os restantes serão comercializados na hora. No dia 13, a distribuição do bolo começará às 6h e contará com opção de Drive-Tna na Paróquia Santo Antônio, localizada na Avenida Calógeras esquina com a Travessa Lídia Baís, região central de Campo Grande.   

 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!