Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Empresa não entrega R$ 2,3 milhões em máscaras e prefeitura aciona MPMS

Apesar da desistência, administração municipal esclareceu que idoneidade da empresa não está em questionamento
14/05/2020 11:48 - Adriel Mattos


A prefeitura de Campo Grande denunciou a empresa Pacotão Comércio e Produtos de Higiene e Limpeza após não receber R$ 2,3 milhões em máscaras adquiridas em processo de compra emergencial. Sem o produto, a Pacotão desistiu do certame, o que levou ao cancelamento.

Instalada em Aquidauana, cidade no oeste de Mato Grosso do Sul, a empresa não entregou nenhuma caixa do item, essencial para evitar o contágio da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Em documento encaminhado à Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) a Pacotão alegou que a fornecedora tinha disponibilidade de entrega que lhe daria margem de lucro considerada razoável. Mas após a licitação, a fornecedora da empresa suspende o processo de venda.

Diante da negativa, a Pacotão procurou outros fornecedores, mas os preços encontrados superavam a cotação acordada com a prefeitura. De R$ 89 solicitados, a empresa chegou a encontrar a unidade da caixa a R$ 140 em uma das fornecedoras. A justificativa seria a falta de matéria-prima e o alto custo dos insumos para prevenção da Covid-19.

Apesar disso, a prefeitura informou que a desistência não coloca em questionamento a idoneidade da Pacotão, já que todos os requisitos legais foram cumpridos. A notificação de cancelamento do processo está sendo encaminhada à empresa nesta quinta-feira (14).

 

Felpuda


Como era de se esperar, as pesquisas mexeram nos ânimos de candidatos, principalmente daqueles que apareceram com índices pífios.

E assim, muitos deles certamente darão novo rumo às suas campanhas eleitorais.

A maioria, é claro, tenta mostrar otimismo, e o que mais se ouve por aí é que “agora o momento será de virada”.

Como disse atento e irônico observador: “Tem gente por aí que poderá virar, sim. Mas virar gozação!”. Ui...