Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MENSALIDADE

Escolas tem até sexta para responderem se aderem a desconto

Apesar de a reunião ter ocorrido na segunda, prazo de 48 horas começa a valer amanhã
12/05/2020 19:33 - Daiany Albuquerque


 

As escolas particulares de Mato Grosso do Sul tem até a sexta-feira (15) para responder se vão aderir ou não ao plano de redução de 10% nas mensalidades escolares durante o período da pandemia feita pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS) e Defensoria Pública. O prazo é de 48 horas e apesar de a reunião entre representantes das instituições de ensino e órgãos públicos ter acontecido na segunda-feira, esse tempo passara a ser contado a partir do momento que a minuta da proposta for entregue para as escolas, o que ocorrerá nesta quarta-feira.

De acordo com a proposta, os 10% - referente aos alunos dos níveis fundamental e médio – seria incidido em cima das mensalidades de abril e será vigente até que a pandemia impeça as aulas presenciais nas escolas. O valor, entretanto, é acumulativo e está vinculado a pontualidade das mensalidades escolares.

Então, para o caso de escolas que já fazem a prática de redução do valor bruto em caso de pagamento em dia, esse desconto deverá ser acrescido ao já efetivado em contrato. Isso também vale para os descontos oferecidos para famílias com mais de um filho.

Já para o caso de estudante que recebem bolsas com desconto superior ao oferecido por essa proposta, a redução não será aplicada.

Já paras as crianças do nível infantil de 0 a 3 anos, que não fazem parte o ensino obrigatório, esse desconto deverá ser ainda maior, de 25%, respeitando a mesma regra cumulativa.

Conforme a proposta, para os pais que já pagaram os meses de abril e maio, esse desconto deverá ser diluído nas próximas mensalidades como forma de compensação da escola.

As instituições de ensino não são obrigadas a aderirem à proposta, entretanto, as que se negarem serão parte em ação a ser ajuizada pela Defensoria e o Ministério Público no caso de os órgãos entenderem haver violação aos direitos do consumidor. 

A proposta foi construída depois de uma reunião que durou mais de três horas e ocorreu na tarde de segunda-feira, na Defensoria Pública do Estado e que contou com a presença de representantes de 19 instituições de ensino, além da  Associação das Instituições Particulares de Ensino de Campo Grande e do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul (Sinepe).

 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...