Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MODELO VISUAL

Estampadoras de MS emitiram 17 placas Mercosul por hora em fevereiro

No primeiro mês de vigência do novo modelo, Detran autorizou 19,6 mil emplacamentos
06/03/2020 10:50 - Ricardo Campos Jr


 

Mato Grosso do Sul estampou 19.693 placas no padrão Mercosul durante fevereiro, primeiro mês em que o novo modelo visual esteve em vigor. Isso significa que as seis empresas credenciadas pelo Departamento de Trânsito e ativas naquele mês emitiram 17 chapas por hora.

Recentemente o mercado ganhou o sétimo competidor: a Embrasplak, que efetivamente só começou a fabricar as identificações veiculares em março.

O poder público analisa pedido de pelo menos outras seis empresas interessadas em entrar nesse negócio. Espera-se que quanto maior a concorrência, menor seja o preço cobrado dos consumidores.

SOBE E DESCE

Inicialmente o valor cobrado pela unidade da placa Mercosul oscilava entre R$ 143 e R$ 150. Como veículos com mais de duas rodas usam duas, os consumidores estavam pagando até R$ 300 pelo serviço quando ele entrou em vigor no dia 3 de fevereiro, um dos mais caros do país.

Depois da pressão feita pelo Procon, os empresários deram descontos de até 11% ao longo do mês, de modo que hoje o serviço pode ser encontrado por R$ 133 (motos) e R$ 258 (automóveis).

Embora a população ainda considere caro o preço da identificação visual, ela já está mais em conta do que o modelo anterior, que tinha tabela fixa de R$ 150 (motos) e R$ 290 (carros). Ainda assim, o órgão de defesa do consumidor quer pelo menos mais 9% de baixa. O superintendente Marcelo Salomão marcou reunião com a novata Embrasplak para analisar se eles podem baratear o serviço, que atualmente custa R$ 140 e R$ 260.

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.