Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TEMPO

Estiagem que já dura cerca de um mês acaba neste sábado em Campo Grande

Meteorologia prevê que frente fria trará retorno das primeiras pancadas de chuva significativa para Mato Grosso do Sul, o que continua no fim de semana
19/09/2020 10:00 - Daiany Albuquerque, Glaucea Vaccari


Estiagem que já dura um mês em Campo Grande deve chegar ao fim neste sábado (19), de acordo com a previsão de todos os centros meteorológicos. 

As últimas chuvas ocorreram de forma expressiva e concentradas no período de 13 a 22 de agosto, e desde então o Estado enfrenta estiagem.

O tempo extremamente seco, com unidade de 10%, fez com que vários córregos e rios secassem na Capital. 

A reportagem do Correio do Estado fez imagens de chácaras na região do Bairro Santa Luzia que mostram que açudes e minas de água secaram completamente neste período.

Isso poderá melhorar com o deslocamento de uma frente fria pelo centro-sul do País e a mudança na circulação de ventos em níveis médios da atmosfera, que vão permitir o retorno das primeiras pancadas de chuva após um mês sem precipitações significativas.

De acordo com a especialista em meteorologia e coordenadora do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec), Franciane Gonçalves, a virada no tempo ocorrerá neste fim de semana.

“A previsão é de pouca chuva ainda, porém, será uma mudança significativa, já que o Estado vem sofrendo com os efeitos do tempo mais seco. 

Para este sábado e domingo, é esperado céu nublado a parcialmente nublado, com pancadas de chuva de fraca intensidade para todas as regiões do nosso Estado”, disse a especialista.

Um cavado na média troposfera reforçará a instabilidade no sábado (19), que poderá atingir o sul e sudoeste de MS com chance de pancadas de chuvas. 

As temperaturas, que estão na casa dos 40°C há semanas, terão ligeira queda, com mínima prevista de 15°C e máxima de 33°C. Em Campo Grande, os termômetros devem oscilar entre 18°C e 30°C.

 
 

MUDANÇA CLIMÁTICA

Segundo o meteorologista Natália Abrahão, do Centro Meteorológico da Uniderp, alguns locais de Mato Grosso do Sul já registraram chuva na sexta-feira (18). 

Em Itaporã, choveu 0,2 milímetro nesta sexta. A frente fria já mudou a temperatura em algumas cidades, em Sete Quedas a máxima foi de 28,7°C, com 47% de umidade relativa do ar, já Sonora registrou 36,8°C de temperatura e 18% de umidade.

No último dia de inverno, na segunda-feira (21), a mudança será mais significativa. 

Com o avanço do cavado de onda curta e o alinhamento de ventos em baixos níveis, a instabilidade também deve se alinhar entre Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, provocando mudança significa no clima dessas áreas, que estão sofrendo efeitos do tempo extremamente seco, com recorde de queimadas no Pantanal. 

Precipitações continuam durante a semana, com volumes significativos entre 24 de setembro e 2 de outubro.  

CHUVA  

Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) referentes à primeira quinzena de setembro indicam que Mato Grosso do Sul está com volume de chuva abaixo da média histórica para o período.  

A falta de chuva aliada às queimadas urbanas, principalmente no Pantanal, deixaram o céu de Campo Grande e de cidades do interior tomado por fumaça. 

Nuvem acinzentada que encobre a cidade é chamada de pluma por especialistas. Essas partículas poluentes devem desaparecer com a chuva, que deve ser mais escura inicialmente. 

A umidade relativa do ar, que chegou a níveis críticos, de 10%, deve aumentar, podendo chegar a 80%.

Temperatura

Neste fim de semana, a temperatura vai mudar de 36°C para máxima de 30°, uma queda de 6°C em um dia. No domingo, a máxima será ainda menor, de 29°C na Capital. O domingo, inclusive, deve ser de chuva o dia todo em Campo Grande.

 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!