Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Estoque de álcool em gel deve se regularizar em 15 dias, avalia sindicato

Dono de farmácia disse que vendeu todos os 1,5 mil francos em dois dias por conta de epidemia
18/03/2020 14:14 - Daiany Albuquerque


Os estoques de álcool em gel em Campo Grande estão esgotados, mas, segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos (Sinprofar), Roberto Martins Rosa, dentro de até 15 dias o estoque deve ser reposto.

O produto teve ampla procura por conta da pandemia, declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), do Covid-19, o novo coronavírus. O álcool em gel é uma das formas de prevenção contra o vírus, que já contagiou, ao menos, seis pessoas em Mato Grosso do Sul, todas em Campo Grande.

“Os fornecedores que tinham estoque, acabaram, poucas farmácias ainda tem algumas unidades, mas nenhum fornecedor tem estoque. Eu vendi 1,5 mil frascos em dois dias, isso nunca aconteceu”, contou Martins.

De acordo com o presidente, a estimativa é de que em 15 dias chegue um novo carregamento de álcool em gel para abastecer as farmácias. “Acreditamos que em até 20 dias consigamos normalizar os estoques. Foi uma coisa muito rápida, se eu tivesse comprado 10 mil frascos, teria vendido todos, foi sem precedentes”, contou Martins.

O presidente afirmou que a única vez em que chegou a faltar produtos nas farmácias como nessa situação foi quando o governo federal tornou obrigatório os veículos a terem kit de primeiros socorros. “Naquela época chegou a faltar atadura e gases”.

Sobre as máscaras, o sindicato afirmou que ainda não tem previsão para que o abastecimento desse produto seja reposto.

 

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!