Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS NA CAPITAL

Um infectado passa vírus para quase 2 pessoas na Capital

Professores apontam que o mês de julho está sendo um mês muito crítico, com aumento significativo do número de casos
28/07/2020 14:05 - Fábio Oruê


Em Campo Grande, uma pessoa infectada pelo coronavírus transmite a Covid-19 para 1,7 indivíduos, o que indica risco muito alto de propagação da doença, segundo estudo. 

Este dado foi incluído no relatório semanal sobre a modelagem matemática das quantidades de casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso do Sul e na Capital, realizado pelos professores Erlandson Saraiva e Leandro Sauer, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

“A informação sobre o número de reprodução da doença é obtido de acordo com a escala denominada de Covidímetro, proposta por professores da UFRJ [Universidade Federal do Rio de Janeiro]”, expõem os pesquisadores.

Com dados analisados desde 14 de março até 26 de julho, os professores apontam que o mês de julho está sendo um mês muito crítico, com aumento significativo do número de casos; passando de 2.241 casos em 30 de junho para 8.883 casos em 26 de julho, o que significa um aumento de 296,39%.

Os 6.642 casos registrados somente no mês de julho representam 74,77% do total de casos confirmados.

 
 

“A figura o gráfico do modelo ajustado aos dados de Campo Grande. Os pontos na cor azul sobre a linha vermelha mostram que desde o dia 89 [11/6/20] estamos em cenário de crescimento exponencial de casos. Infelizmente, se nada for feito para conter a proliferação da doença, continuaremos neste cenário por todo o mês de agosto", alertaram.

"Somente no início de setembro que começará a diminuir, com pico estimado para 23 de setembro com 86.325 casos. Além disso, os dados mostram que a quantidade de casos dobra em média a cada 13 dias”, explicam os pesquisadores.

Conforme o modelo ajustado, a quantidade de indivíduos diagnosticados com a Covid-19 que precisarão de atendimento em leitos clínicos superará a quantidade de leitos disponíveis (341) no dia 31 de agosto.

Já com relação aos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), é estimado para 16 de agosto a superlotação. “Esses resultados mostram a necessidade de a população continuar seguindo as orientações de especialistas da área da saúde para se manter o isolamento social sempre que possível. Este procedimento é necessário para que as quantidades registradas em uma semana estejam sempre abaixo da curva estimada. Somente desta maneira obteremos o desejado 'achatamento' da curva e evitaremos o colapso do sistema de saúde pública da cidade de Campo Grande”, avaliam.

No Estado, o número de reprodução é de 1,2, conforme o Covidímetro, sendo estimado para o dia 10 de agosto o pico da doença.

Em 30 de junho eram 7.965 casos, e até ontem o número saltou para 21.514, com aumento de 170,11%.

As projeções do modelo Gompertz indicam colapso do sistema público de saúde no estado em relação aos leitos de UTI para 11 de agosto.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.