Cidades

Rio Verde

Ex-marido tenta abusar de mulher e filho socorre mãe

Ex-marido tenta abusar de mulher e filho socorre mãe

ROBERTA CÁCERES

21/07/2011 - 07h07
Continue lendo...

Na noite de ontem (20), por volta das 20h30min, uma mulher de 51 anos, sofreu agressões do ex-marido, 37 anos, obrigando-a satisfazer seus desejos sexuais, no bairro Jardim José Antônio, em Rio Verde (MS).

Segundo registro policial, quando a vítima chegou em sua residência, o seu ex-marido pegou a mulher pelos braços tentou levá-la para um cômodo localizado no fundo da residência para com ela satisfazer seus desejos sexuais.

Assim a vítima pediu por socorro sendo que seu filho de 12 anos interviu impedindo a ação do autor. A mulher ficou com leões em ambos os braços e na região da cintura.

A vítima é separada judicialmente do autor há pelo menos um ano.  

ESTATÍSTICAS

BR-163 concentra quase metade das mortes em rodovias em MS

De janeiro a abril de 2024, foram 22 óbitos na via, a qual já foi conhecida "rodovia da morte"; ao todo, 54 pessoas perderam a vida estradas de MS no período

22/05/2024 09h45

A BR-163 voltou a ter aumento de mortes devido a acidentes

A BR-163 voltou a ter aumento de mortes devido a acidentes Foto: Gerson Oliveira / Correio do Estado

Continue Lendo...

Antigamente intitulada de rodovia da morte, a BR – 163 voltou a ter aumento de óbitos decorrentes de sinistros que aconteceram na via.

De janeiro a abril deste ano, 22 pessoas foram vítimas fatais de acidentes na estrada, que corta Mato Grosso do Sul. Ao todo, 54 óbitos foram registrados nos quatro primeiros meses de 2024, nas rodovias do Estado, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF). 

Ou seja, só na BR- 163, ocorreram 40,7% das mortes em rodovias do Estado, nos quatro primeiros meses desse ano. O índice do primeiro quadrimestre de 2024 é maior que as mortes, no mesmo período, de 2023 e 2022, quando foram registrados 18 e 16 óbitos, respectivamente, na BR – 163.

Os números de 2024 ficam atrás apenas das taxas de 2021 e 2017, quando 23 e 25 pessoas foram vítimas de sinistros que ocorreram na 163, respectivamente. 

Além disso, os índices de vítimas fatais de acidentes na 163, também voltou a crescer anualmente. Em 2023, a PRF aponta que 64 óbitos ocorreram na via, enquanto em 2022, foram 53 e em 2021 foram registradas 59 mortes. 

Em 2017, foram 62 mortes registradas na BR – 163, e nos anos seguintes esses índices caíram para 38 óbitos, em 2018, e 41 mortes em 2019. 

Ao todo, no ano passado nas rodovias do Estado foram registradas 184 mortes decorrentes de acidentes, e 34,7% desses óbitos foram na BR – 163.

No entanto, esse índice não é tão diferente do registrado em anos anteriores, já que em 2022, do total de 167 mortes em estradas de MS, 31,7% ocorreram na 163, e em 2021, a taxa foi ainda maior, sendo de 41,2% das 143 vítimas de sinistros no Estado. 

PRIVATIZAÇÃO 

Apesar de haver incoerências, os dados do relatório trimestral da Concessionária de Rodovia Sul Matogrossense S.A., a CCR MSVia, que administra a BR – 163 desde 2014, aponta que houve um aumento de óbitos na rodovia, no primeiro trimestre desse ano, em relação ao mesmo período de 2023.

A empresa informa que o número de mortos em 2024 foram 16, enquanto no ano passado foram 12. 

Entretanto, no balanço trimestral, a MSVia relata que houve uma queda de 25% nas mortes e informa ainda que tem promovido “campanhas educativas, medidas de engenharia viária e ações coercitivas desde 2014, além de intervenções específicas durante feriados prolongados e eventos como o Maio Amarelo e a Semana Nacional de Trânsito”, como ações para diminuir o número de acidentes e de vítimas fatais na rodovia. 

“Adicionalmente, são realizadas micro ações, uma inovação implementada em 2019, que consistem em intervenções rápidas realizadas pelas equipes de atendimento em pontos críticos ao longo da rodovia. Também são conduzidas palestras em empresas próximas, postos de serviços, comunidades e escolas, com suporte de sistemas inteligentes (ITS), incluindo os painéis de mensagens fixos e móveis (PNV) para divulgação de mensagens educativas em tempo real e o circuito fechado de TV (CFTV) para monitoramento da via”, acrescenta a MSVia no relatório. 

Porém, apesar das diversas ações informadas no levantamento, a empresa não realiza obras de duplicação na via desde 2017, quando parou de receber investimentos e solicitou o reequilíbrio do contrato.

A concessionária chegou a afirmar, em 2019, que não tinha interesse em permanecer com a rodovia e cobrou a devolução de ativos da União, no valor de R$ 1,4 bilhão, mas no ano passado mudou o tom e decidiu permanecer com a licitação. 

Em outubro do ano passado, o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, deu aval para que a CCR MCVia continua responsável pela concessão da BR – 163 no Estado.

A empresa no momento aguarda a aprovação do TCU do plano de investimento na rodovia, que vai decidir em quais pontos serão feitas obras de melhoramento da estrada, como a duplicação da via. 

Em nota, a empresa informou que “desde que assumiu a concessão já investiu mais de R$ 2,1 bilhões em obras e na modernização da rodovia, incluindo a duplicação de mais de 150 quilômetros e a recuperação de mais de 500 quilômetros de pavimento, além da implantação de um moderno sistema de atendimento ao usuário”. 

“Esses esforços resultaram em uma redução significativa nos índices de acidentes, com queda de 35% nos trechos críticos da rodovia em 2023, comparado ao ano anterior, e redução de 26% no número de vítimas fatais em comparação com o ano de 2013, antes da concessão”, conclui a nota. 

Apesar de ser questionada pela reportagem a respeito da incoerência do relatório que aponta que o número de mortes no primeiro trimestre saiu de 12, em 2023, para 16, em 2024, a MSVia afirma que houve redução de 25%. 

SAIBA

O novo contrato da CCR MSVia para a concessão da BR – 163, prevê R$ 12 bilhões em investimento ao longo de 35 anos, terminando em 2049. Desse valor, R$ 2,3 bilhões devem ser investidos já nos três primeiros anos, sendo 2024, 2025 e 2026. 

ASSINE O CORREIO DO ESTADO

PROTESTO

Após 70 dias, prefeitura desmonta acampamento em frente ao Paço Municipal

Protesto é de guardas civis metropolitanos e enfermeiros contra o poder executivo municipal, em reivindicação ao pagamento quinquênio, classes, planos de carreira e reajuste

22/05/2024 09h45

Protesto de GCMs em julho de 2022 - Imagem de ilustração

Protesto de GCMs em julho de 2022 - Imagem de ilustração Foto: Naiara Camargo/ARQUIVO

Continue Lendo...

De acordo com o Sindicato dos Guardas Municipais de Campo Grande (SINDGM-CG), a Prefeitura Municipal de Campo Grande (PMCG) retirou, à força e sem aviso prévio, o acampamento montado – barracas, banners, faixas e cartazes –, no canteiro da avenida Afonso Pena, em frente ao Paço Municipal.

O acampamento, instalado desde 8 de março de 2024, é um protesto de guardas civis metropolitanos e enfermeiros contra o poder executivo municipal, em reivindicação ao pagamento quinquênio, classes, planos de carreira, reajuste e melhores condições de trabalho.

Segundo a categoria, dezenas de faixas e dez barracas foram removidas mediante uso da força. As entidades não foram procuradas para se retirarem espontaneamente do local. Os objetos foram danificados e levados para outro local sem o consentimento dos manifestantes. Com isso, boletim de ocorrência foi registrado.

“Entendemos como violenta a remoção. A prefeita Adriane Lopes, se pronunciou por diversas vezes sobre o acampamento, chamando-o de "protesto de barracas", sem sequer referir-se sobre a legitimidade ou não de ocuparmos o espaço público. Expressamos nosso absurdo e indignação quanto a este ato antidemocrático da prefeita que vai a avenida Paulista clamar por democracia”, informou a nota.

Ainda de acordo com o sindicato, o pleito será levado ao Poder Judiciário, reivindicando a possibilidade em continuar protestando em frente a sede da prefeitura.

O Correio do Estado entrou em contato com a Prefeitura de Campo Grande para que se posicione sobre o assunto, mas, até o momento, não foi respondido. O espaço segue aberto para resposta. 

OUTRO ACAMPAMENTO

Em julho de 2022, guardas civis metropolitanos (GCMs) acamparam e dormiram em frente a Prefeitura Municipal de Campo Grande (PMCG) por várias semanas consecutivas.

Eles não saíram do local enquanto a prefeita Adriane Lopes (PP) não atendesse às reivindicações da categoria. 

Eles reivindicavam por promoção de letra, quinquênio e pagamento do valor correto de plantões. A promoção de letra e pagamento do quinquênio garantem aumento de salário. 

Barracas foram montadas para abrigo temporário. Guardas de folga se revezavam no local. Esposas e filhos de GCMs também passavam a noite no acampamento.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).