Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TEMPO DE COOPERAÇÃO

Além de máscaras, “fábrica” que empregou costureiras também produz solidariedade

Centro irá produzir 12 mil máscaras por dia para distribuir em Campo Grande
06/05/2020 16:58 - Fábio Oruê


 

Incubadora do Mário Covas, que em tempo de pandemia foi transformada em fábrica, irá proporcionar para a população carente de Campo Grande proteção e solidariedade por meio da distribuição de máscaras. As responsáveis são 69 costureiras - e também alguns costureiros - que foram empregadas para fazer a produção do equipamento e ajudar a proteger a população do coronavírus. 

Em dois turnos de 6h serão produzidos cerca de 12 mil máscaras que serão entregues as pessoas atendidas pelo Fundo de Apoio à Comunidade (FAC). “É uma oportunidade de ajudar o próximo e também de ajudar a nós mesmas. Quando a gente ajuda o outro a gente nos ajuda também. Ainda mais fazendo o que a gente gosta”, disse a costureira Célia Aparecida, de 52 anos, que também trabalha produzindo bonecas artesanais. 

 
 

O pensamento é compartilhado pela artesã Márcia Dias, que, agora empregada, terá uma renda extra. “Oportunidade de trabalho em um momento muito oportuno nessa pandemia que nós estamos. Tem muita gente que está passando uma situação financeira difícil; então para mim foi muito importante”, disse ela. 

Segundo a presidente do Conselho Gestor do FAC, Tatiana Trad, quatro técnicas (professoras) integram o corpo de produção no local. A princípio, os equipamentos serão entregues para as comunidades e entidades atendidas pela organização, mas é possível que o Centro Emergencial de Produção de EPI’s pode ser expandido para toda a população. 

“[...] Como a gente está tendo a questão dos pontos de ônibus e terminais que foi uma determinação por decreto. A gente está buscando atender essas pessoas na medida do possível”, disse ela, citando a obrigatoriedade do uso de máscaras no transporte público. 

“A gente pode acreditar que esse processo possa se ampliar. Tem muitas escolas que a gente poderia fazer [a implantação da fábrica]”, revelou Trad. 

 
 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...