Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TESTE RÁPIDO

Farmácia da Capital registra aumento de 258% na procura por teste de coronavírus

Número de resultados positivos também vem aumentando
27/06/2020 17:40 - Fábio Oruê


A busca por teste rápido para o Covid-19 tem registrado aumento significativo em Mato Grosso do Sul. Em Campo Grande, uma farmácia registrou aumento de 258% na procura do teste nesta última semana de junho, em relação à semana anterior. O volume de resultados positivos em junho, também segue avançando, este mês superou maio em 73%.

“O números de pessoas buscando pelo teste tem impressionado. Elas nos procuram alegando a necessidade de uma resposta imediata para sanar a dúvida, se estão ou não positivos. Até o momento já realizamos mais de 900 testes, um número muito bom, já que acreditamos que quanto maior o número de pessoas testadas, mais eficiente o controle”, explica a diretora da Attive Pharma, Flávia Buainain.

Segundo Flávia em abril o número de casos positivos foi de 4%, entre o total de testados. Em maio esse número recuou para 3% e em junho atingiu 5,1%. 

O teste rápido para Covid-19 detecta se o paciente teve ou não contato com vírus, por meio da sua resposta imunológica na formação de anticorpos (igG com precisão de 98,9% e igM com precisão de 96,1%). Ou seja, ele identifica se a pessoa já teve contato com o vírus e criou a imunidade ou se está com o vírus ativo.

A testagem é feita por agendamento e o resultado é entregue com laudo ao paciente, que também recebe orientações de um farmacêutico habilitado. “O agendamento é feito justamente para evitar aglomeração de pessoas, o resultado sai em 20 minutos. Todas pessoas são atendidas com horários exclusivos e os profissionais da saúde, foram capacitados para receber com toda segurança exigida”, explica Flávia.

A recomendação é de que façam o teste as pessoas que tiveram sintomas por sete dias ou aqueles que tiveram contato com pessoas infectadas. 

 

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!