Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

NOVIDADE

Farmácias de Campo Grande fazem testes para Covid-19

Campo Grande foi a primeira capital brasileira a ter nas farmácias testes que identificam anticorpos do coronavírus; resultado sai em 30 minutos
29/04/2020 09:00 - Fábio Oruê


 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a realização de testes rápidos de anticorpos para o coronavírus em farmácias e drogarias particulares – em medida de carácter temporário e excepcional – que visa ampliar a oferta e a rede de testagem, bem como reduzir a alta demanda em serviços públicos de saúde durante a pandemia.

Com a decisão, a realização deixará de ser feita apenas em ambiente hospitalar e clínicas das redes públicas e privadas.

Em Campo Grande, conforme apurado pelo Correio do Estado, pelo menos duas redes, a Ative Farma e a Pague Menos, já fazem o teste de ensaio imunocromatográfico, que ficou conhecido como o teste rápido, em um dos seus estabelecimentos. A capital de MS é a primeira cidade do Brasil com unidades habilitadas para fazer o teste.  

Este teste serve para descobrir se a pessoa foi exposta ao vírus por meio dos anticorpos produzidos pelo corpo. O teste rápido detecta anticorpos da Covid-19 em poucos minutos. Por isso, deve ser aplicado após o sétimo dia de sintomas, quando o corpo já reagiu ao vírus. Antes deste período, a chance de falso negativo é alta. Se o resultado der positivo, indica a presença de anticorpos contra o Sars-CoV-2, não sendo possível definir apenas pelo resultado do teste se há ou não infecção ativa no momento da testagem.  

Ele usa dispositivos de uso profissional, de fácil execução – assemelha-se ao teste de glicemia –, que não necessitam de outros equipamentos de apoio e que conseguem dar resultados entre 10 e 30 minutos. “A nossa testagem é feita por uma empresa de Curitiba, mas é muito rápido. Eles analisam lá e recebemos a resposta na hora. [...] o cliente sai com um diagnóstico assinado pelo farmacêutico”, explicou o farmacêutico Chalbers Ochôa, da rede Pague Menos.  

Segundo o profissional, esse teste é importante principalmente para fazer uma triagem dos casos suspeitos. “A pessoa não precisa ir até uma unidade de saúde se expor ou expor as outras pessoas. Vai ajudar também o sistema de saúde, que não está dando conta de testar todo mundo que está com sintomas; só os casos mais graves. Então fazer essa testagem vai ajudar na triagem dos casos”, opinou Ochôa. O preço para realizar o teste na rede é de no mínimo R$ 110.

Outros estabelecimentos procurados pela reportagem ainda não têm previsão de oferecer os testes, já que é preciso adotar diretrizes e a decisão é voluntária do estabelecimento.

Na Ative Farma, mais de 200 exames já foram realizados. Do total de testes aplicados, cerca de 10% deram positivo. “Trata-se de uma taxa expressiva. Aqui os farmacêuticos habilitados aplicam o teste com um pequeno furo no dedo e algumas gotas de sangue. O resultado sai em vinte minutos e, caso positivo, fazemos os encaminhamentos necessários. Estamos ajudando na prevenção da população e o setor público a isolar esses infectados, para não contaminarem um maior número de pessoas”, explica Flávia Buainain, da Ative Farma.

FORA DA CONTAGEM

A realização dos exames não servirá para a contagem de casos do coronavírus no País. Em seu voto, o diretor-presidente substituto da Anvisa, Antônio Barra Torres, que foi o relator do processo, destacou que o teste não terá efeito de confirmação do diagnóstico, uma vez que há a possibilidade de o teste apontar o falso negativo.

“Os testes imunocromatográficos não possuem eficácia confirmatória, são auxiliares. Os testes com resultados negativos não excluem a possibilidade de infecção e os positivos não devem ser usados como evidência absoluta de infecção, devendo ser realizados outros exames laboratoriais confirmatórios”, disse.

O teste de “padrão ouro” é o RT-PCR, que detecta o material genético do vírus em amostras coletadas, por exemplo, por swab, um instrumento semelhante a um cotonete usado em vias respiratórias dos pacientes, da nasofaringe e orofaringe. Apesar de preciso, este produto é mais caro, e o processo, demorado.

A liberação dos testes rápidos em farmácias enfrentava resistências, em razão de questões sanitárias e ligadas também à eficácia dos exames. Ao comentar a aprovação da realização dos testes em farmácias, Barra Torres ressaltou que essas avaliações vêm sendo feitos por determinação de alguns governos locais.

A liberação dos testes será temporária e deve permanecer no período de emergência de saúde pública nacional decretado pelo Ministério da Saúde, em 4 de fevereiro deste ano. A resolução determina também que farmácias devem informar a gestores de saúde locais sobre os resultados dos exames.

Preço  

Nas farmácias de Campo Grande, os testes rápidos para Covid-19 são encontrados com preços a partir de R$ 110. O Correio do Estado apurou que é possível que os preços caiam à medida que mais farmácias tenham o teste e a concorrência aumente. 

 

Felpuda


Pré-candidatos que em outras eras cumpriram mandato e hoje sonham em voltar a ter uma cadeira para chamar de sua estão se esmerando em apresentar suas folhas de trabalho. O esforço é grande para mostrar os serviços prestados, mas estão se esquecendo que a cidade cresceu, os problemas aumentaram e aquilo que já foi tido como grande benefício hoje não passa da mais simples obrigação diante do progresso e das novas exigências legais. Assim sendo...