Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ALERTA

Farmácias de manipulação podem fazer álcool em gel, mas sofrem com falta de insumos

Conselho pede que população evite soluções caseiras ou compra de produtos de origem suspeita
19/03/2020 14:22 - Ricardo Campos Jr


 

Até as farmácias de manipulação sofrem para atender à demanda de clientes em busca de álcool em gel em Campo Grande. Esses estabelecimentos podem fabricar o produto, mas faltam insumos essenciais nesse processo, especialmente o polímero usado para dar o aspecto gelatinoso da mistura.

Tamara Zorzi, diretora da Associação das Farmácias Magistrais de Mato Grosso do Sul (Anfamag), diz que alguns locais ainda têm estoque, mas a procura tem sido altíssima. “Somente na manhã desta quinta-feira (19) atendi umas 50 pessoas pelo WhatsApp e telefone”, comentou ao Correio do Estado.

Segundo ela, nenhum dos fornecedores do polímero tem o produto para vendê-lo. “O álcool também está difícil de achar para utilizarmos na manipulação”, explica.

 
 

RISCOS DO PÂNICO

Com a ampla divulgação do uso do álcool em gel como forma de prevenir contágio pelo novo coronavírus, a população tem sido exposta a produtos clandestinos ou vendidos de maneira inadequada.

No começo da semana, agentes da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo (Decon), em ação conjunta com a Coordenadoria de Vigilância Sanitária de Campo Grande, fecharam uma empresa que fabricava álcool em gel (70%) sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Todo o processo era feito em condições precárias.

Além disso, o presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado (CRF-MS), Flávio Shinzato, também afirma que existem pessoas vendendo não apenas o produto, mas também máscaras de proteção em semáforos, contrariando todas as normas de armazenamento dos itens.

“O álcool em gel é um produto que precisa ser armazenado e conservado em lugar fresco e arejado. Já é um agravante, por exemplo, a venda ao ar livre sem esse controle, alterando o produto que já pode ser de origem obscura, adulterado, sem comprovação científica da ação degermante”, afirma.

Além disso, comprar o item fora de um estabelecimento prejudica o consumidor de buscar seus direitos em caso de fraude.

“Vou reclamar para quem, se não é um estabelecimento regulamentado como uma farmácia, que tem um responsável técnico, um farmacêutico, que faz todo o controle de estoque das mercadorias, de validade e embalagem. Ou seja, que garante que o produto chegue ao consumidor com a melhor qualidade e da melhor forma possível?”, questiona Shinzato.

Tamara acrescenta também sobre os riscos de fabricar o próprio álcool em gel, seguindo receitas caseiras que têm sido divulgadas pelas redes sociais (VEJA O VÍDEO ABAIXO).

 
Tamara Zorzi, diretora da Associação das Farmácias Magistrais de Mato Grosso do Sul (Anfamag) - Divulgação
 

Com relação às máscaras, “chegou informação que estão vendendo de forma unitária. A máscara tem sua finalidade de proteção desde que ela esteja limpa. Se está exposta no meio da rua, está se contaminando se estiver com a embalagem violada”, esclarece o presidente do CRF-MS.

Shinzato pede que a população fique atenta e evite adquirir tanto o álcool quanto a máscara nessas condições suspeitas.

ALTERNATIVA

Profissionais da saúde afirmam que lavar as mãos com água e sabão é uma atitude simples, porém eficaz contra o coronavírus, assim como manter bons hábitos de higiene, como, por exemplo, tampar a boca ao espirrar e evitar levar as mãos ao rosto antes de limpá-las adequadamente.

 

Felpuda


Na troca de alfinetadas entre partidos que não se entenderam até agora sobre eventual aliança, uma outra peça está surgindo: trata-se do levantamento completo sobre investimentos feitos, recursos liberados, parcerias em todas as áreas, além do prazo de quando tudo isso começou. Caso os palanques venham a ficar distanciados, a divulgação será feita à exaustão durante a campanha eleitoral, para mostrar quem é quem na história. Os bombeiros continuam atuando.