Clique aqui e veja as últimas notícias!

RESPONSABILIDADE

Durante segunda onda da Covid-19, festa clandestina pode gerar mais de 100 mil casos

Fiscalização sanitária interditou nesta madrugada evento com mais de mil pessoas
05/12/2020 14:30 - Thais Libni


Em meio a segunda onda de casos da Covid-19, a Guarda Civil Metropolitana de Campo Grande interditou na noite de sexta-feira (4) uma festa open bar com mais de mil pessoas.

De acordo com o médico infectologista Julio Croda, “eventos assim, pode favorecer a transmissão para centenas de pessoas. 

Existe um estudo que aponta que 1 doente pode transmitir o vírus para mais de 100 pessoas”, informou Croda.

Sendo jovens o público-alvo dos eventos, estes quando contaminados não apresentam sintomas, se tornando meio de contaminação de milhares. 

Seguindo a linha de raciocínio do estudo apontado acima, o número de participantes apenas dessa festa pode contaminar mais de 100.000 pessoas em Campo Grande.

Acompanhe as últimas notícias do Correio do Estado

Para estes casos, de acordo com o código sanitário, a multa varia entorno de R$ 100 a R$ 15.000 sendo definido durante o processo. Conforme apurado pelo Correio do Estado, o primeiro lote do evento foi vendido a R$ 50 e o segundo a R$ 70.

Em média, se 1000 pessoas pagaram R$ 50,00 por entrada, o lucro para o proprietário é R$ 50 mil, valor que pode ser ainda maior se considerado o segundo lote das vendas. 

O faturamento estipulado de apenas uma noite seria capaz de pagar três vezes o valor máximo da multa.

A festa intitulada “Baile do Tubarão”, aconteceu em uma casa de shows localizada na Rua Brilhante, na Vila Bandeirante. 

O espaço de eventos excedia a lotação permitida pelo decreto municipal de ocupação, de 70% do local.

De acordo com as equipes que fiscalização da Vigilância Sanitária e a Guarda Metropolitana e Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur), nenhuma medida de biossegurança estava sendo seguida.

O espaço foi interditado e autuado por aglomeração, falta de distanciamento e funcionamento sem plano de segurança e termo de compromisso pelas equipes e permanecerá assim durante 15 dias, até que o proprietário do local recorra à interdição cautelar. No entanto, o processo administrativo segue até ser julgado.

De acordo com o médico infectologista Julio Croda, “eventos assim, pode favorecer a transmissão para centenas de pessoas. 

Outros estabelecimentos

Principais revendedoras de bebidas foram flagradas na quarta-feira (2) e na quinta-feira (3) comercializando em lugares distintos da cidade após o horário permitido.

Instituído no dia 25 de novembro, o decreto municipal estabelece que o comércio em geral deve estar fechado entre 0h e 5h todos os dias. 

A reportagem do Correio do Estado flagrou ao menos três estabelecimentos descumprindo as regras.

Boletim

Mato Grosso do Sul já tem 104.727 casos confirmados de Covid-19 e 1.827 óbitos pela doença, segundo o Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES), publicado na manhã deste sábado (5). 

Campo Grande registrou de ontem para hoje 658 novos casos.

São 1.294 casos e 9 mortes a mais que ontem. Os recuperados já somam 90.152.

Em isolamento domiciliar encontram-se 12.188 doentes. Há 560 pessoas internadas, sendo 334 em leitos clínicos e 226 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).