Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MASSA DE AR POLAR

Cidades do sul do Estado registraram sensação térmica abaixo de 0ºC nesta sexta-feira

Massa de ar frio polar está no Estado e derrubou as temperaturas nesta semana
03/07/2020 16:37 - Fábio Oruê


Massa de ar polar que está em Mato Grosso do Sul derrubou as temperaturas e algumas cidades do sul do Estado registraram sensações térmicas abaixo de 0ºC na madrugada desta sexta-feira (3). Além disso, outras oito cidades chegaram perto da temperatura negativa.

Segundo dados o meteorologista Natálio Abrahão, as cidades que frio com sensação negativa foram:

CIDADETEMPERATURASENSAÇÃO TÉRMICA
Iguatemi3,9ºC-2ºC
Amambai3,8ºC-1ºC
Aral Moreira4,5ºC0ºC
Caarapó 4,3ºC-1ºC

Outros oito municípios tiveram sensação menores que 5ºC:

CIDADETEMPERATURASENSAÇÃO TÉRMICA
Itaquiraí5,6ºC3ºC
Rio Brilhante5,4ºC1ºC
Juti6ºC2ºC
Ponta Porã5,7ºC2ºC
Dourados6,7ºC4ºC
Bonito7ºC4ºC
Sidrolândia7,6ºC5ºC
Sete Quedas4,6ºC2ºC

As baixas temperaturas também trouxeram geadas para oito municípios do Estado: Aral Moreira, Iguatemi, Amambai, Itaquiraí, Caarapó, Rio brilhante, Ponta Porã e Sete Quedas. Conforme divulgado ontem pelo Correio do Estado, um ar frio de origem polar começou a se espalhar sobre o Brasil na quarta-feira (1º) e ontem (2) atuava com mais força nesta região.

Campo Grande poderia registrar a menor temperatura do ano nesta data, mas só chegou perto. Segundo a medição no Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a menor temperatura na Capital até o dia 1º de julho era de 9,2°C, em 7 de maio. Hoje, a menor temperatura registrada foi de 9,4ºC conforme dados das estações automáticas do Inmet. 

De acordo com o Centro de Monitoramento do Tempo e Clima de MS (Cemtec), a previsão é de céu claro a parcialmente nublado no Estado. Nas regiões sul, sudoeste, central e leste, estima-se névoa úmida ao amanhecer. Temperaturas poderão variar entre de 5 °C a 33 °C.

 
 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.