Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Fronteira completa quase uma semana fechada e com medidas mais rigorosas

Desde ontem (25), Exército Paraguaio bloqueou divisa com pneus e arame
26/03/2020 13:42 - Bruna Aquino


 

Completando quase uma semana desde que a fronteira entre Brasil e Paraguai está fechada em tempos de pandemia do novo coronavírus, o lado paraguaio desde essa semana está com medidas mais rigorosas para conter a disseminação do vírus. Os vizinhos paraguaios devem ficar em quarentena até o dia 12 de abril segundo governo paraguaio. 

Os bloqueios na Linha Internacional com Mato Grosso do Sul começaram na semana passada após o presidente paraguaio Mario Abdo Benítez decretar emergência sanitária em todo o país. Mesmo com a fiscalização do Exército em Pedro Juan Caballero, muitas pessoas estavam atravessando para a cidade vizinha Ponta Porã (MS). 

Intensificando as medidas contra a pandemia, ontem (25), militares paraguaios colocaram pneus e arames em aproximadamente 12 quilômetros na região do centro entre as duas cidades, quem furar a barreira pode ser preso. A medida é para evitar que paraguaios morando em outros países regressem e ampliem a contaminação da população.

Segundo o secretário municipal de saúde de Ponta Porã Marcelino Nunes, depois da barreira, as pessoas estão respeitando mais as barreiras, mas ainda tem algumas pessoas que tentam atravessar em território brasileiro. “Toda medida é válida para que eles possam ter o controle da doença, enquanto eles cuidam do lado deles também estamos cuidando do nosso lado”, disse. 

Sobre o período de quarentena, o secretário informou que todas medidas decretadas pela prefeitura para prevenir a doença estão sendo cumpridas e guardas municipais fazem rondas todos os dias no toque de recolher da cidade que é às 20h.

 
 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!