Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DEMARCAÇÕES

Governador defende que <br> União indenize terras <br> em área de conflito

Pagamento deve contemplar terra nua e benfeitorias para solucionar impasse
30/08/2015 18:10 - KLEBER CLAJUS


 

Produtores rurais devem ser indenizados pela terra nua e benfeitorias, conforme o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), para que se resolva impasse gerado pela demarcação de terras indígenas em Mato Grosso do Sul. Conflito em Antônio João, a 402 quilômetros de Campo Grande, reforça a urgência de que a União coloque em prática plano de indenizações.

"O conflito é muito ruim. Conseguimos com que a presidenta Dilma Rousseff (PT) liberasse o Exército, que vai descer para a região e criar zona para proteger índios e produtores, mas a solução definitiva depende de que a União adquira aquelas terras e indenize a terra nua e benfeitorias", pontuou Azambuja, durante a Caravana da Saúde em Nova Andradina.

Diálogo com os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Defesa, Jaques Vagner, seriam constantes no intuito de sair do aspecto "simpatia" para "ação efetiva" que resulte na redução do conflito.

Azambuja pontuou ainda que a presença do Exército, intermediada pela bancadas de deputadores e senadores, colabora para organizar a segurança em área tão sensível como a fronteira com o Paraguai. Isso porque haveria suspeita da atuação de guerrilhas paraguaias em meio ao conflito em Antônio João.

TENSÃO

Depois da morte do indígena Semião Fernandes Vilhalva, de 24 anos, no sábado (29) o clima continua tenso em cinco fazendas da região. Proprietários de ao menos duas delas conseguiram voltar para as sedes das propriedades, mas os índios continuam nas terras monitoradas pelo Departamento de Operações de Fronteira (DOF), Força Nacional, Exército e Fundação Nacional do Índio (Funai).

Há 10 anos, em 2005, o Governo Federal homologou parte das propriedades como terra indígena. A partir daí, houve série de cobranças por parte dos índios para que a área fosse demarcada, no entanto, nada foi feito.

No final da semana passada, indígenas invadiram fazendas e fizeram famílias de produtores reféns. Houve bloqueio de rodovias e enfrentamentos. Reunião estratégica das forças de segurança, no entanto, pretende aprofundar as ações a serem tomadas no local na segunda-feira (31).

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...