Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Governo contrata mais 207 leitos de UTI e semi-intensivo para do Estado

MS tinha 515 leitos de UTI e ampliação vem para atender possíveis pacientes do Covid-19
19/03/2020 17:29 - Daiany Albuquerque


O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) anunciou nesta quinta-feira (19) que o Governo aumentará para 722 o número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e semi-intensiva em todo o Mato Grosso do Sul.

Atualmente o Estado tem 515 leitos de UTI, mas já foram contratados mais 207, sendo 142 de UTI e 65 de unidades semi-intensivas. “Para a gente estar preparado quando houver necessidade da internação”, afirmou Azambuja, durante live nas redes sociais do Governo do Estado.

O aumento é necessário para atender possíveis pacientes que contraiam o Covid-19, o novo coronavírus, e que necessitem de internação. Hoje o Estado confirmou nove casos, sendo oito em Campo Grande e um em Sidrolândia.

Além dos leitos, o governador também afirmou que foi autorizado a compra de equipamentos e de medicamentos para o período do avanço da doença. “Estamos enfrentando, inclusive, alguns fornecedores, aqueles que buscam o lucro fácil, que num momento de dor, que nós estamos precisando mais do espírito de solidariedade, querem triplicar o preço de alguns bens, inclusive isso cabe ações judiciais e nós tomaremos todas as medidas para eu nós tenhamos todos esses insumos, que são extremamente necessários para que a gente possa enfrentar esse desafio que é combater essa epidemia a nível mundial”, declarou.

Na sexta-feira o governo promete publicar decreto no Diário Oficial do Estado em que decreta situação de emergência em saúde devido a pandemia do Covid-19. O Estado também promete encaminhar texto para a Assembleia Legislativa para que seja decretado estado de calamidade pública. O decreto regulatório deverá ser votado pela Casa.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.