Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Governo de MS cria grupo especial para monitorar economia e saúde durante pandemia

Chamado de 'Programa de Saúde e Segurança da Economia' (Prosseguir), o grupo foi instituído por meio de decreto
26/06/2020 13:02 - Nyelder Rodrigues


Mato Grosso do Sul terá a partir de agora um grupo para cuidar especialmente da saúde pública e da economia, em conjunto, durante o período de pandemia do novo coronavírus. O Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir) foi criado nesta sexta-feira (26) com a publicação de decreto no Diário Oficial.

Conforme antecipado pelo Correio do Estado, os critérios foram desenvolvidos durante um mês em encontros entre técnicos do Governo do Estado com integrantes da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), entidade que atua como um braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) no continente americano.

De acordo com o decreto de hoje, o grupo terá como tarefa a elaborar periodicamente avaliações de risco conforme graus pré-definidos entre alto, médio, tolerável e baixo. A partir daí, serão criadas bandeiras por municípios e regiões dentro do Estado, com sugestões a serem tomadas pelo respectivo Poder Executivo.

As avaliações e sugestões deverão contar com análises de impacto econômico conforme a classificação das atividades, vislumbrando ali também o risco que cada uma delas tem, tanto no viés sanitário como no socio-econômico.

Como ficaria hoje

Segundo o plano de retomada, Miranda, Corumbá, Nova Alvorada do Sul, Costa Rica, Batayporã, Vicentina, Deodápolis, Douradina, Ponta Porã e Antônio João teriam de melhorar bastante seus índices neste momento e estariam muito próximas da necessidade da adoção de medidas mais rigorosas.  

Já entre as quatro maiores cidades de Mato Grosso do Sul, a que se encontra em pior situação é Corumbá, avaliada com nova 5,69 pela Opas. Em Campo Grande, a nota é bem maior do que a de todo o Estado: 6,47. Em Dourados, a nota é 6,86, enquanto que em Três Lagoas, terceiro município mais populoso, a nota é 5,72.

"O projeto é uma mistura do que tem de melhor já feito aqui no país, como os planos feitos no Rio Grande do Sul, no Espírito Santo, em Minas Gerais e em São Paulo", explica o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, em reportagem do Correio do Estado.

 
 

Quem faz parte

Tudo isso será tocado por um comitê formado por nove membros titulares e nove suplentes, cada um deles representando uma entidade estadual diferente - no caso, seis secretarias  estaduais, Controladoria-Geral do Estado, Procuradoria-Geral do Estado, e a Consultoria Legislativa. Os titulares são os chefes das pastas.

Assim, compõem o grupo Geraldo Resende (Saúde), Felipe Mattos (Fazenda), Ana Carolina Nardes (Administração), Jaime Verruck (Desenvolvimento e Produção) e Antonio Carlos Videira (Segurança), Fabíola Marquetti (procuradoria), Carlos Girão (procuradoria) e Ana Carolina Garcia (consultoria), além do presidente Eduardo Riedel (gestão).

Já os suplentes são Flávio César, Christinne Maymone Gonçalves, Édio Viegas, Ricardo Senna, Ary Carlos Barbosa, Márcio André Batista de Arruda, Marina Hiraoka Gaidarji e Bruna Colagiovanni Girotto Fernandes.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.