Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRISE DO CORONAVÍRUS

Governo e bancos buscam alívio em empréstimo consignado

Governos e bancos buscam acordo para aliviar aposentados e servidores em atividade. Servidores têm mais de R$ 60 milhões em empréstimos contratados.
09/04/2020 09:00 - Adriel Mattos, Bruna Aquino


 

O governo de Mato Grosso do Sul está orientando os servidores públicos ativos e aposentados a procurar as instituições financeiras para renegociarem empréstimos consignados em razão da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O Banco do Brasil (BB) já havia estendido o prazo de pagamento em seis meses, a pedido do Estado. O Banco Daycoval também estendeu o prazo, em dois meses.  

Entre os funcionários da ativa, há mais de 50 mil operações de crédito, o que representa R$ 29,3 milhões em empréstimos. Já os aposentados contrataram 42,5 mil operações, totalizando R$ 32,1 milhões. Os dados são relativos ao mês de março, informados pela Superintendência de Gestão da Folha de Pagamento, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização (SAD).

Ontem, o titular da Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, durante transmissão ao vivo na rede social Facebook para atualização das ações de combate à pandemia, disse que os servidores e aposentados devem procurar as instituições financeiras para pedir renegociação. “Procure o banco em que você tem empréstimo consignado para que possa fazer a renegociação. É uma discussão que o governo do Estado vem fazendo com os agentes financeiros de maneira geral”, afirmou.

Na quinta-feira  passada (2), o governo havia anunciado que o BB havia aceitado renegociar as operações de funcionários ativos e inativos realizadas pela instituição. “A renovação do consignado pode ser feita pelo aplicativo, pelo site ou pelo telefone do ‘Fale Conosco’. As condições podem ser conferidas nesse momento e a renovação pode ser com troco ou sem troco”, explicou o superintendente do Banco do Brasil em MS, Sandro Grando.  

Segundo ele, as parcelas da renovação serão fixas e os juros só serão contados depois do prazo de seis meses. O funcionário público ainda tem a liberdade de renovar um ou todos os contratos que possui com a instituição financeira. Já a margem consignável varia de acordo com a situação de cada pessoa. Para quem não tem acesso à internet, o telefone para atendimento é o (61) 4004-0001.

No mês passado, haviam 31,4 mil operações de crédito no Banco do Brasil abertas por servidores estaduais e aposentados, o que representa R$ 34,4 milhões.

PROJETOS

Do outro lado do Parque dos Poderes Governador Pedro Pedrossian, dois projetos de lei na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (Alems) recomendam a mesma medida diante da crise financeira causada pelo novo coronavírus. As proposições foram apresentadas na terça-feira (7).

Os textos de Carlos Alberto David dos Santos, o Coronel David (sem partido), e Pedro Kemp (PT) são praticamente idênticos, propondo a suspensão do desconto em folha por três meses. A única diferença é que David incluiu os militares entre as categorias beneficiadas.

As parcelas seriam acrescidas no fim do contrato. Prosseguem os projetos apontando que a suspensão pode durar mais caso a pandemia e/ou o estado de calamidade pública perdure.  

Em sua justificativa, Coronel David cita que a pandemia impacta as rendas familiares por conta das quarentenas decretadas pelo governo e prefeituras. “Dessa maneira, os servidores públicos estaduais e municipais poderão utilizar os recursos que anteriormente seriam destinados para pagamento dos empréstimos consignados, com aquisição de itens obrigatórios para a sobrevivência e necessários para a qualidade de vida em tempos tão adversos, tais como alimentos, medicamentos, materiais de limpeza, entre outros”, escreveu.

Por sua vez, Kemp defende que as famílias podem aumentar os gastos durante o isolamento social. “Neste período, quem tem renda fixa vai aumentar seus gastos. Por esta razão, é preciso chamar atenção para esse momento de sacrifício junto aos bancos e instituições financeiras que costumam ganhar muito, inclusive com juros altos em cima dos consignados dos servidores públicos”, argumentou.

A proposição de David já está tramitando na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), aguardando parecer para ir ou não à votação em plenário. O projeto de Kemp segue na Secretaria de Assuntos Legislativos e Jurídicos (SALJ).

*(Colaborou Ricardo Campos Jr.)

 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido