Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Governo restringe atendimento e pode confiscar insumos se preço subir

Visitas nas penitenciárias foram mantidas por temor de rebeliões
16/03/2020 14:01 - Adriel Mattos, Ricardo Campos Jr


 

O governo de Mato Grosso do Sul vai implementar medidas nas repartições públicas a fim de evitar novos casos da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira (16) pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e parte do secretariado.

O atendimento do público será restrito até onde for possível, levando o cidadão a ser atendido por canais virtuais, como telefone e via internet. “O serviço público não pode parar”, frisou Azambuja.

Nos casos em que for impossível de agendar por outros meios, o servidor tomará uma distância segura e o ambiente será higienizado. Frascos de álcool em gel serão instalados em alguns pontos das repartições.

A Federação Sindical dos Servidores Públicos Estaduais (Feserp/MS) pediu revezamento da jornada de trabalho, home office, redução da carga horária para seis horas e medidas preventivas para servidores que fazem parte do grupo de risco. A categoria alega também que muitos servidores utilizam o transporte público para ir ao trabalho e que aqueles que possam ter doenças respiratórias e filhos com idade escolar que exijam cuidados devem ser melhor assistidos.

O governador disse ainda que empresas que esconderem insumos como máscaras cirúrgicas e frascos de álcool em gel serão punidas. “Se preciso for, vamos confiscar as mercadorias”, afirmou. Quem aumentar os preços indiscriminadamente também ficará sujeito a sanções.

FRONTEIRAS

Ainda será discutido se o fluxo de pessoas e veículos nas fronteiras com Bolívia e Paraguai sofrerão também alguma restrição. Reuniões com os prefeitos de Ponta Porã, Hélio Peluffo (PSDB), e de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB), serão agendadas para discutir o aumento de leitos em unidades de saúde.

SISTEMA PRISIONAL

As visitas nas penitenciárias estão mantidas. O temor de causar animosidade entre detentos, levando até mesmo a rebeliões, é um dos principais motivos. Ainda assim, internos e seus familiares receberão orientações. Porém, existe a possibilidade das visitas serem restringidas.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.