Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RIO

Homem invade prédio da Globo e faz repórter refém

Ele exigia falar com a âncora do Jornal Nacional, Renata Vasconcellos
10/06/2020 15:33 - Da Redação


 

Homem ainda não identificado invadiu, na tarde de hoje (10), a sede da Rede Globo e fez uma repórter refém, no Rio de Janeiro. Ele estava armado com uma faca e exigia falar com a jornalista Renata Vasconcellos, âncora do Jornal Nacional.

De acordo com informações da Veja, além da faca, o homem estava usando máscara e carregando uma bíblia e, ao entrar no prédio, que está funcionando com menos gente devido à pandemia, tomou como refém a repórter Marina Araújo.

Sob ameaça, ele exigia a presença de Renata Vasconcellos. Informações preliminares dão conta de que o diretor-geral de jornalismo da Globo, Ali Kamel, chegou a tentar negociar com o invasor. 

Com orientações da Polícia Militar, Renata compareceu ao local onde estava o invasor e, ao vê-la, ele largou a faca e libertou a refém, sendo preso imediatamente. Ninguém se feriu.

Em comunicado, a Globo afirma que o homem tem distúrbios mentais e o caso não tem conotação política. 

"A TV Globo agradece à PM, ao coronel Heitor e a todos os policiais, cuja condução foi exemplar. Marina se comportou com coragem, serenidade e firmeza, sendo fundamental para o desfecho da situação. Renata foi corajosa, desprendida, solidária e absolutamente imprescindível para que tudo acabasse bem. As duas profissionais estão bem. E foram recebidas pelos colegas com carinho e emoção", diz a Globo.

* Matéria atualizada às 16h02 para acréscimo de informação

 
Homem invade Globo e faz repórter refém - Reprodução
 

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!