Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Hospitais de Campo Grande estão no limite

Rede pública de saúde não tem mais vagas para pacientes com Covid-19
31/07/2020 09:00 - Daiany Albuquerque


Os hospitais da rede pública de saúde de Campo Grande já não têm mais vagas para pacientes com Covid-19. 

Nas três unidades que operam pelo Sistema Único de Saúde (SUS), as unidades de terapia intensiva (UTIs) reservadas para o novo coronavírus estão com 100% de ocupação. 

Restam apenas alguns hospitais particulares com contratos com a prefeitura.

No Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, referência para o tratamento da Covid-19 em Campo Grande, apenas duas vagas em UTIs estavam vazias até ontem. 

Nesta semana, a ocupação na unidade chegou aos 100% dos leitos críticos (UTI e semi-intensivo).

Já na Santa Casa de Campo Grande, maior hospital da Capital, nenhuma vaga para pacientes com a doença estava disponível. 

Das 10 vagas disponibilizadas na Unidade do Trauma, 100% estavam ocupados por pacientes que estavam no Hospital Regional e tiveram de ser transferidos.

No Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, os 10 leitos para o tratamento da doença, que foram inaugurados na segunda-feira, estão ocupados. 

O centro médico, inclusive, está com 100% de ocupação para internação em todos os setores adultos – UTI geral e leitos clínicos. A prefeitura ainda tem leitos contratualizados no Hospital Adventista do Pênfigo, El Kadri, Clínica Campo Grande e Proncor. 

De todos esses, a melhor situação é a do Proncor, que ainda tem 30% das vagas em UTIs, porém, para atendimento a pacientes com outras doenças, não há mais leitos no setor.

Já os leitos do setor no Pênfigo, inaugurados há 10 dias, também já estão ocupados. A taxa de ocupação em relação aos leitos clínicos era de 60% no fim da tarde, mas havia a possibilidade de chegar a 80% até o fim do dia, segundo a assessoria de imprensa da unidade. 

A mesma situação se encontrava no El Kadri, com todos os leitos de UTI contratualizados com a prefeitura ocupados. Do setor, sete estavam com pacientes do SUS e três provenientes de convênios. A UTI geral não tinha leitos, e a UTI cardio, que não recebe pacientes com Covid-19, tinha quatro vagas.

Segundo o titular da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Geraldo Resende, o governo tenta conseguir mais 10 leitos para serem implantados no Hospital do Pênfigo, mas depende de equipamentos a serem conseguidos no interior. “São equipamentos que Dourados recebeu de doação e ainda não conseguiu implantar”, afirmou.

O secretário ainda diz que pretende chegar a 100 leitos críticos no Hospital Regional, entretanto, para que isso se concretize, é necessário que equipamentos que foram prometidos pelo Ministério da Saúde cheguem na Capital.

Segundo a prefeitura, a taxa de ocupação global dos leitos de UTI na cidade estava ontem em 86%, mas apenas 39 leitos para pacientes graves estavam disponíveis no início da tarde.

Para o médico infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Julio Croda, é possível que na próxima semana já faltem leitos de UTI em Campo Grande, já que ainda há muitos casos sendo confirmados diariamente e o isolamento social não tem passado de 37% durante a semana.

“O cenário da Capital é muito preocupante, principalmente no que diz respeito aos leitos de terapia intensiva. Diversas cidades no Brasil e fora colapsaram seu sistema de saúde. Então, o gestor tem de entender que a curva de contágio dessa forma como está acelerada, o poder público não tem capacidade de acompanhar essa curva na oferta de leitos, e isso não é um fenômeno local, é um fenômeno mundial. Campo Grande deve adotar o lockdown, senão, na minha opinião técnica, já na semana que vem nós veremos pacientes morrendo por falta de leitos”, afirma. 

 
 

Ocupação de leitos nos hospitais

Hospital Regional
Leitos clínicos: 72,5%
UTI Covid-19: 97,2%

Santa Casa
Leitos clínicos geral: 85%
Leitos clínicos Covid-19: 56%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 95%

Hospital Universitário
Leitos clínicos: 100%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 100%

Hospital do Câncer
Leitos clínicos: 54,5%
UTI geral: 98%

Hospital do Pênfigo
Leitos clínicos: 60%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 90%

Hospital El Kadri
Leitos clínicos: 25%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 100%
UTI cardio: 60%

Clínica Campo Grande
Leitos clínicos: 50%
UTI Covid-19: 90%
UTI geral: não informado

Proncor
Leitos clínicos: 81%
UTI Covid-19: 70%
UTI geral: 100%

Hospital da Cassems
Leitos clínicos Covid-19: 70%
UTI Covid-19: 92%
UTI geral: 88%

Hospital Unimed
Leitos clínicos geral: 75%
Leitos clínicos Covid-19: 71%
UTI Covid-19: 86,6%
UTI geral: 83%

 

Felpuda


Candidato a prefeito de cidade do interior foi buscar “inspiração” para elaborar seu programa de governo.

Assim, não se fez de rogado em beber da fonte de prefeito que tenta a reeleição em município da Bahia.

O dito-cujo cá dessas bandas copiou as propostas e vinha as apresentando como sendo de sua autoria.

A população já descobriu o plágio e ainda aguarda uma explicação.

Se não houver, as urnas certamente a darão.