Clique aqui e veja as últimas notícias!

SAÚDE

Hospitais de Campo Grande funcionam sem licença da vigilância sanitária há anos

Regional não tem documento desde 2017, já o Universitário perdeu em setembro do ano passado
02/11/2020 10:30 - Rodrigo Almeida


O Hospital Regional de Mato Grosso do Sul desde 2017 está com a Licença Sanitária vencida, já o Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian há pouco mais de um ano não tem a documentação. 

Esses são dois dos principais hospitais públicos de Campo Grande que falham em atingir as normas da Vigilância Sanitária do Estado.  

O Correio do Estado teve acesso a uma tabela que mostra a real situação das licenças nos principais hospitais de Campo Grande e poucos estão com as licenças sanitárias em dia. 

Dos três principais, financiados com dinheiro público, a Santa Casa é o único que possui licenças. São cinco: Transplante Cardíaco, Geral, Banco de Olhos e Oncologia.  

De acordo com o mesmo documento, o Hospital Regional e o Universitário não possuem nenhuma ala com creditação sanitária. 

Para a Coordenadora substituta da Vigilância Sanitária de Mato Grosso do Sul, Sandra Maria Gomes, a burocracia é um forte empecilho na adequação dos hospitais às normas. 

“Eles não cumprem as medidas, porque demora muito o processo licitatório nos hospitais públicos, isso atrapalha bastante a adequação”, relata.  

Em nota para a imprensa, o Regional enumera o que é necessário para aquisição da licença: “além da [licença] Ambiental, necessita-se ainda de Licença de Operação, Alvará de Localização e Funcionamento e, ainda, uma licença expedida pelo Corpo de Bombeiros”.  

Conforme noticiado na semana passada pelo Correio do Estado, nenhum dos três hospitais públicos de Campo Grande têm o certificado contra incêndio e pânico concedido pelos bombeiros. 

Apenas a Santa Casa conseguiu, no ano passado, um documento provisório, o definitivo só será emitido após o centro médico se adequar a uma série de critérios, o que ainda não foi feito.

A servidora afirma que o processo por parte da Vigilância é extremamente complexo. São vários aspectos avaliados, a estrutura física, o processo de trabalho, a manutenção básica, os equipamentos utilizados, os medicamentos, o desenho estrutural e o risco biológico.