Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RESCALDO

“Uma tragédia anunciada”, diz diretor do São Julião sobre cratera ao fundos do hospital

Voçoroca aumenta a cada chuva há uns 4 anos; situação é grave
13/05/2020 16:14 - Fábio Oruê


 

Grande cratera aos fundos do Hospital São Julião causada pela erosão do solo e que há anos traz risco para seu entorno cresceu com a última chuva que atingiu Campo Grande, ontem (12) e hoje (13). A voçoroca (fenômeno geológico que consiste na formação de grandes buracos causados pela água da chuva e solo arenoso) avançou em direção a rua, derrubando a cerca e um pedaço do asfalto. 

“É uma situação bem complicada. É o único acesso asfaltado do hospital, o outro é uma rua que nós abrimos uma outra vez que tivemos problemas com a voçoroca”, disse o diretor administrativo do hospital Amilton Fernandes. Segundo ele, há cerca de 4 anos a direção da unidade vem  informando à prefeitura da Capital sobre o problema. Por conta dos riscos, a passagem foi interditada. 

 
 

“Isso vem acontecendo e não é a primeira vez. É uma tragédia anunciada. O asfalto ainda está lá, mas por baixo não tem terra. Estamos falando de um buraco de 10 metros de profundidade por 50 de diâmetro”, definiu Fernandes. 

Ainda conforme o diretor, equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) estiveram no local para fazer uma avaliação. “ O pessoal da secretaria coloca que é necessário um projeto de drenagem. Falaram que a hora que parar a chuva vão fazer visita paliativa; vão tentar fazer algo pra não cair a rua”, contou. 

 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido