Clique aqui e veja as últimas notícias!

CAMPANHA

Idosa com mais de 80 anos vacinada quer ser exemplo contra negacionismo

Vacinação do grupo prioritário de idosos com 80 anos ou mais começou ontem em Campo Grande
02/02/2021 09:30 - Ana Karla Flores


Olga Bueno da Silva, de 99 anos, segunda pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 em Campo Grande, quer ser exemplo para indígenas que têm medo da vacinação. A vacinação do grupo prioritário de pessoas com 80 anos ou mais começou ontem e estava disponível em diversas unidades de saúde da Capital.

Olga é da aldeia indígena Buriti, em Sidrolândia, mas mora em Campo Grande há alguns anos e quis tomar vacina para ser exemplo para outros indígenas que se negam a receber o imunizante em razão de informações falsas. 

Alexandre Silva de Carvalho, neto de Olga, explica que o ato será de grande importância, não só para os indígenas, como também para outras pessoas que estão na dúvida em receber a vacina.

“É muito importante para que outras pessoas que estão na faixa de idade dela e na dúvida possam ver que isso é fato, que essa vacina é para curar e imunizar de verdade, é um grande avanço na ciência. Porque muitos estão na dúvida: há muitas mentiras hoje em dia, falando que se tomar a vacina vira crocodilo ou algo desse tipo, mas ela se prontificou a vir, ela mesma quis ser imunizada, ser um exemplo”, detalha Carvalho.

Últimas notícias

Maria Lemes, filha de Olga, explica que a família não mora mais na aldeia, no entanto, antes da pandemia faziam visitas sempre que podiam. 

“O pessoal da aldeia não quer tomar, e ficamos muito preocupados com isso. Minha mãe quer ser um exemplo para eles, porque a gente mora aqui [em Campo Grande], mas ainda tem contato com eles e estamos mandando fotos dela, temos parente lá. Acredito que vai ajudar e ser muito importante”.

Lemes relata que a imunização é um alívio, em razão da dificuldade em cuidar da mãe durante o ano. 

“É um privilégio, agradeço a Deus e à ciência, porque a gente vai ter um pouco mais de tranquilidade, pois estamos com muita dificuldade de estar com ela. Foi muito complicado esse ano passado, sem liberdade e sempre com medo. Ela estava querendo tomar, no começo ela ficou com um pouco com medo, mas depois abriu a mente e decidiu vir”.

PRIMEIRA VACINADA

Amelia Martins, de 100 anos, foi a primeira a chegar na Clínica da Família do Bairro Portal Caiobá, em Campo Grande, para receber a vacina contra a Covid-19. Filho de Amelia, Gregorio dos Santos, de 74 anos, explica que a mãe tem Alzheimer e descobriu que seria vacinada quando chegou na Clínica da Família e ficou ansiosa para receber o imunizante. 

“Quando a gente saiu, falamos que ela ia passear e só explicamos quando chegamos aqui que ela ia tomar a vacina da Covid-19. É um alívio, porque eu me preocupei bastante com ela e agora fico um pouco mais tranquilo”.