Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAÚDE

Número de doadores de órgãos deste ano superam índice de 2019 em Mato Grosso do Sul

Quase cem pessoas já passaram pela cirurgia de transplante só em 2020
15/08/2020 08:39 - Gabrielle Tavares


Mesmo em meio as dificuldades causadas pela pandemia da Covid-19, o número de doadores de órgãos e tecidos em Mato Grosso do Sul este ano foram superiores aos do ano passado.  

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde só em 2020, já foram 98 transplantes, três deles foram do coração, 79 de córnea e 16 de rim. Em 2019 foram 27 doadores, 69 órgãos captados e 94 de córneas transplantadas.

Apesar do avanço, centenas de pessoas aguardam a cirurgia no Estado. São quatro pessoas a espera de um coração, 165 de córnea e 158 de rim.  

“Esse trabalho nos motiva a avançarmos na captação de órgãos. Nossas equipes estão preparadas para atender não só pacientes do Estado, mas também de todo o Brasil. Queremos avançar para, no futuro, também termos transplante de fígado aqui, que exige mais complexidade e estrutura”, destaca o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende.

Pela legislação brasileira, a doação de órgãos só pode ser feita após a autorização familiar. A vontade do doador só tem possibilidade de prevalecer ao dos familiares ser estiver expressamente registrada e haja decisão judicial nesse sentido.

A informação e o diálogo entre a família são importantes neste processo, já que a modalidade de consentimento é a que mais se adapta à realidade brasileira.  

“Um dos principais elos dessa corrente de solidariedade é a família do doador, que escolhe fazer a doação em um momento de dor e perda”, aponta a coordenadora da Central Estadual de Transplantes de Mato Grosso do Sul, Claire Miozzo.

Ela ainda destaca o apoio da Casa Militar para viabilizar as cirurgias e transporte de órgãos, “uma vez um fígado retirado aqui em Mato Grosso do Sul foi para o Acre. Os militares passaram uma noite toda viajando para salvar uma vida”.

 
 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!