Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RECONSTRUÇÃO

Interdições para obras na Ernesto Geisel devem permanecer por mais 1 mês

Paredões tinham cerca de 30 anos e caíram por conta das chuvas fortes que causaram infiltração
11/03/2020 12:29 - Daiany Albuquerque


 

As duas pistas da Avenida Ernesto Geisel, sentido centro/bairro e bairro/centro devem ficar por mais um mês, aproximadamente, interditadas para as obras de contenção dos paredões que caíram por conta das fortes chuvas. O primeiro havia caído na semana passada e na tarde de terça-feira (10) caiu o outro lado.

De acordo com o superintendente da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) Mehdi Talayeh, desde a segunda-feira a equipe previa que o local desabaria. “Quando houve o alagamento e a queda dessa placa (no sentido centro/bairro) já houve uma desestabilização daquele trecho, e aí dia após dia ela estava saindo do prumo 1,5 centímetro. A gente estava fazendo esse monitoramento e por questões de segurança não deixei ninguém trabalhar ali, colocar escoramento, porque a qualquer momento ela poderia cair, não tinha mais o que fazer, era só aguardar acontecer”, explicou.

As obras que estavam sendo feitas no lado que já havia desabado foram paralisadas antes do horário de almoço ontem, por prever que o local não apresentava segurança para os servidores. Segundo Talayeh, o muro de contenção desabou às 14h25.

“Teve infiltração de água por trás dele (paredão), a umidade do solo inchou e automaticamente ela desestabilizou a placa, empurrou a placa para dentro, mas a chuva não foi suficiente para ela cair no mesmo tempo. Interditamos o outro lado desde segunda-feira, porque a gente já estava prevendo que iria cair”, contou o superintendente.

Os dois trechos que desabaram não haviam sido refeitos pela empresa responsável pelo trecho, a Gimma Engenharia Ltda, isso porque, conforme informação da secretaria, o contrato previa que o gabião fosse feito na sequência desses paredões, antes de chegar no cruzamento da Ernesto Geisel com a Rua Santa Adélia. 

Entretanto, a empresa havia aumentado os paredões e feito o paisagismo e contenção por cima deles, além de ciclovia e um dos lados. “A empresa vai ter que retornar e fazer o complemento sem custos para a prefeitura, até porque a obra não foi entregue, se estivesse entregue, automaticamente o prejuízo seria da Prefeitura”.

Isso só será feito, porém, quando as equipes da Sisep que atuam no local terminarem o que estão fazendo. Do lado que desabou primeiro foram instaladas estruturas metálicas para dar sustentação as placas, que apesar de terem caído, não estão danificadas, então serão usadas novamente.

“Nós vamos fixar elas com barras de aço, a placa nessa estrutura metálica, para ela se manter na vertical. Voltando para a posição correta, vamos fazer o reaterro e posterior é a segunda etapa, que é abrir umas janelas na placa e atirantar ela, que é injetar concreto com aço dentro da placa, dentro do solo. Se ela quiser cair de novo essa estrutura segura”, contou o superintendente.

O trabalho de reerguer a placa, fixá-la nessas estruturas e fazer o aterramento do local deve demorar cerca de uma semana, avalia Talayeh. Nesse período a pista no sentido centro/bairro continua fechada para o trânsito de veículos.

Do outro lado, a secretaria ainda não definiu o que será feito, se será um trabalho semelhante ao que é feito na outra margem, ou se será necessário traçar outra alternativa.

“Se ela caiu inteira nós vamos fazer o mesmo que vai ser feito deste lado, mas se ela estiver quebrada, vou precisar de outra solução, provavelmente será fazer o gabião”. A decisão deve ser tomada durante a tarde desta quarta-feira. Pela manhã os funcionários trabalhavam para limpar a placa, para que a equipe técnica pudesse avaliar as condições da estrutura.

Na avaliação do superintendente, caso a estrutura esteja em boas condições como a outra, o serviço na pista sentido bairro/centro deve durar cerca de duas semanas, com a interdição total ou liberação de apenas uma pista. 

A obra, porém, precisaria ainda do atirantamento para ficar completamente pronta, mas essa parte ainda não tem previsão, porque não será executado pela prefeitura. “Como são máquinas específicas e a gente não tem esse tipo de equipamento tem que vir de fora, então depende do processo burocrático, ou licitação ou aditivo, que é o caminho mais curto”, disse Talayeh.

“Vamos pegar 70 metros dos dois lados (nas duas pistas). Mesmo as placas que estão estabilizadas, esse trabalho de atirantamento nós queremos fazer nas demais, para evitar um colapso futuro”, completou o superintendente.

No caso do aditivo, a prefeitura ainda conversa com a empresa responsável pelo trecho, a Gimma Engenharia, para saber a possibilidade de ela executar o atirantamento. Caso ela aceite, esse valor será pago pela própria administração municipal. Não há ainda previsão de valores e de quanto em tempo essa fase do projeto deve ser executada.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.