Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Especialista diz que "não é hora de recuar" na luta contra a Covid-19

Anthony Fauci é o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA
10/04/2020 13:06 - Agência Brasil


 

O maior especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos (EUA) alertou nesta sexta-feira (10) que, embora locais duramente atingidos pelo coronavírus, como o estado de Nova York, estejam mostrando resultados positivos na luta contra a doença, é cedo demais para amenizar as restrições aos norte-americanos.

O alerta de Anthony Fauci veio depois de as principais autoridades econômicas do governo do presidente Donald Trump dizerem, no dia anterior, que acreditam que a economia do país pode começar a voltar à atividade normal em maio, apesar de especialistas de saúde pedirem a manutenção do distanciamento social para derrotar o coronavírus.

Trump, republicano que pretende se reeleger em 3 de novembro, deixou claro que quer reativar a economia o mais cedo possível.

"Com sorte, recomeçaremos muito, muito, muito, muito em breve, espero", disse ele nessa quinta-feira (9) durante a entrevista diária sobre o novo coronavírus na Casa Branca.

"O que estamos vendo neste momento são alguns sinais favoráveis", disse Fauci em entrevista à CNN, citando avanços em Nova York.

Mas antes de reabrir a sociedade, acrescentou, "gostaríamos de ver um indício claro de que estamos indo muito, muito clara e fortemente, na direção certa. Porque exatamente aquilo que não queremos fazer é sair prematuramente e acabar na mesma situação".

Como muitos norte-americanos comemoram o feriado da Páscoa cristã no domingo, Fauci disse que é importante manter as medidas de distanciamento social em vigor.

"Agora não é hora de recuar", afirmou.

*Agência de notícias britânica

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.